16 de set de 2006

Desde aquele noite

Com o mesmo entusiasmo que me apresentei ao professor (sou escritora), sem titubear, respondi-lhe: "sou vendedora." Faltava-me um rumo, o prumo de Ariel. E as nuvens eram uma incógnita impossível de derivar. Na realidade, sou a mesma puta que me pariu numa sala asséptica de uma clínica conveniada do SUS. Um susto que sensibilizou a obstetra. Madrinha, seus presentes já não cabem mais nos meus sonhos. O rapaz a me oferecer uma porção de lactobacilos moles, transparentes, vivos. E eu duvidando do amor que todos depositavam devotamente em mim. Aos poucos, o ar, veneno-volante, me traz de volta à realidade. Eu vendo. Mentiras. Aquelas que eu nunca terei coragem de repartir com ninguém. Essa solidão, fumaça ansiosa que me arde nas retinas, me indica o caminho. De ágape em ágape, me convenço que a borda da piscina não é escorregadia, mas, por via das dúvidas (sempre elas), uso o capacete protegendo meu rosto com a balaclava que ainda me lembra o perfume, nenúfar com tabaco. Ontem eu sonhei com ele e não me dei o trabalho de me levantar para trocar o travesseiro. Molhado de tantos soluços. Era uma paixão, paizão, pezão, faisão, Paixão, que aprendi a contorcer quando ninguém (ela acreditava nos seus clientes) me observava.

Um comentário:

  1. marcinho, ando com bastante saudades sua, e precisamos tocar sua carreira... bjos

    ResponderExcluir