29 de jul de 2005

Quero essa tua boca para sempre

Você está de castigo, me dissera meu pai. Cárcere privado. Preferiria uma surra de cabo de rodo, assim estaria livre para correr debaixo do bloco. Daqui posso ouvir o pessoal gritando. Aos menos, eles podiam ser solidários com o meu sofrimento. São meu amigos, presentem quando não estou bem. Precisava mesmo era ir embora. Londres continua sendo minha primeira opção. E enquanto não obtenho uma resposta, vou relando as histórias de Sherazade. E pensar que eu chamava-os de contos de fadas. Algum progresso eu fiz.
O riso entalado sai nervoso. A empregada contando à amiga que a patroa só lhe chamava às 9h30. Nem parecia mentira. Ela falava com tanta naturalidade, mas sabemos do delírio que atravessa a mente da moça... Ah!, sabemos de muito mais. "Ela não sabe beber, Soraia, toma duas latinhas e já conheça a dizer bobagens, sabe?"
Também não sei beber, fiquei mexendo o gelo com dedo. O cálice esperando minha boca. Sou o menino do dedo verde, olha!, disse ao Conselheiro, antes de passar, carinhosamente, meu dedo nos lábios dele.
O beijo levemente amargo... me lembrava jurubeba, gariroba. Você gosta? Meu fígado adora, respondi-lhe já de olhos fechados procurando a boca que me ensinara a pronunciar Finnegans. Fainigans... Finnegans (caralho!).
Você é meu intelectualzinho, meu menininho. Ah! Se não fosse os filhos dele... Quer ir ao teatro comigo, amanhã? Vou te levar para assistir a estréia de Carmen. Com o Teodoro no papel de Don José... Nossa! Você já deu para todo mundo. Admira-me muito um ministro de carreira cometer uma falácia dessas. Apenas saímos juntos milhares de vezes, o suficiente para considerá-lo como meu caso, mas nunca fomos para um motel. Vocês faziam no mato. Levantei-me do colo, confortável colo nefasto. Suas mãos eram fortes, para minha surpresa. Fica quieto! Sem querer derrubei o cálice, ao esbarrar na mesinha. Gotas verdes pingando no tapete. Deixa eu pelo menos buscar um pano. Foda-se o tapete. Amanhã a empregada limpa.
E quando ele se levantou me puxando pela mão, perguntei-lhe as horas. Preciso ir embora. Amanhã a gente se vê, certo? Não quero mais assistir à ópera. Estou com ciúme. Queria te sussurar meus segredos. Amanhã, respondi-lhe. Se ele quissesse mesmo, teria me enviado flores, ou ao menos me ligado para desejar bom dia.

28 de jul de 2005

Estou enviando o sinal. Desespero batendo na porta. Números de celulares trocados. Nunca fomos amantes. Ah! Se fosse pedido quebra de sigilo telefônico (Para quê?). Nossos gemidos a vagar no eco da incompreenssão. Minha, sim. Totalmente minha. Sexo avulso eu teria ao mover o pensamento; debaixo de qualquer mesa de jacarandá. Teria que ser algo mais do que um cheque em braco que a qualquer momento pode ser assustado. Por onde você esteve, ontem? Precisava ... Precisava?! Impostei minha voz no veludo do meu canto e disse-lhe três mentiras entre salivas e estralos: senti muito tua falta, eu te quero muito, eu te amo. Você não ama ninguém além de si mesmo. Baixa as calças. Esse joginho cafajeste mina os santos que me guardam. Estamos protegidos. Graças a Nossa Senhora da Glória. Quando argumentos racionais são brutalmente rechaçados apelamos para o emocional. Chorar é fácil, quero ver alguém me fazer rir. E o nosso presidente? Estou disposto a comer farinha ao teu lado. Nem ao menos somos amigos e eu mentia doentiamente. Mitomania, meu bem. Quem sabe um dia...Despedi-me com um beijo, sem antes pedir que não me ligasse no escritório, nem em casa, tampouco no celular. Meu sangue não é azul, entende? Ademais, tenho muito orgulho de ser filho de pais analfabetos. Já que não sei quando te verei novamente. Eu me engasgando com o vinho forte a me escorrer pelo corpo. Preciso voltar pra o escritório. Trabalha para mim. Secretário-Executivo, sem ironia. Missões diplomáticas... Passei a não pelo ombro dele, como se tivesse tirando um pêlo. Quem lava tua farda? (Risos) Mando para lavanderia. (Por isso, tão branca). E quando não tivermos dinheiro, quem vai lavar minhas cuecas?

26 de jul de 2005

Gauderiando nas salidades estoicanas (trecho avulso)


Mud Bath, originally uploaded by DWinton.

Das lamas do Mar Morto faria um emplasto que Brás Cubas nenhum imaginara para me aliviar as ameaças proferidas e do estresse gerado pela visita retubante do policial militar (Meu Deus! Ele continua lindo maravilhoso); me livraria da incômoda lembrança da surdez temporária causada pelos gritos mordidos do Coronel (não, não era Aureliano Buendía); besuntaria minhas vísceras antes que abrissem o bufê, por fim cobriria, com a salgada lama, minhas alegrias enviadas, agora pouco, por fax, para Gardea. Não se iluda -- me dissera o diplomata -- Milão é uma droga. Há poucos lugares no mundo que realmente valeria a pena visitar. Gostaria de poder eu mesmo dizer isso.

P.S.: Desculpa-me o post atrasado, fui enforcado pelo fio do telefone. Sem mágoas, sem perseguição. Os papéis sociais voam. A qualquer momento a gente (eles, tu e eu) alcançaremos o Himalaia. (hehe) Alguém, aí, fala bhojpuri?

25 de jul de 2005

-- (...) e depois, vocês foram para onde?
-- Despedimo-nos e cada um foi para sua casa.
-- Para casa!? Não acredito. Ele era perfeito.
-- Perfeito para apresentar aos pais, fazer inveja aos amigos, ou passear em Caldas Novas. Mas do que isso, só o tempo.
-- Com um tipo daquele, eu teria traído o Alfredo.
-- Bobagem. Ele nem beija tão bem assim.
-- Ah! Nem mentir você sabe mais . Fiquei asfixiada, só de olhar. Todo mundo que passava comentava.
-- Ele estava com o perfume que o Bruno usava antes do acidente.
-- Jura? Oh! Marcinho, que falta de sorte.

23 de jul de 2005

Com gás, por favor.

A frustração do coito interrompido, tenho evitado. Tolice. Nada pode me impedir de gozar, além do meu medo de parar no acostamento. Correr havia sido a estratégia mais idiota, digna de alcegas verdes-pistache. A marca da mordida ainda arde na pele cor de bosta. Moreno morrom-bombom. Chocolate branco na esquina da Rua 13 de Maio (de 1922). Seriam suntuosos veludos pastiches de curvas desvairadas de cuecas boxer. CKOne no aparador da sala de visitas. Meu objetivo rifado pelo meu desejo que não se levantara. A poetisa a me pedir que lhe emprestasse meus olhos. Seria desumano negar-lhe a gentileza. Como também, seria desumano não atender ao telefonema do estripador. Pressão psicológica. Ele achou que sangraria um porco. De fato imolaria um cordeiro. Carne muito doce para o seu apetite de pescoço de galinha. Por que você larga o preciosismo na varanda de pimenteiras-gigantes? Pimenta-de-cheiro, meu bem. Deu bode. Já perceberam onde estou? De volta. Capaz de enfiar o indicador na massa crua de bolo de fubá. E nem com fome estou. Apenas, tentei evitar disfarces destoantes, mas eu fico tão bem de salto alto. Espero uma mão educada, para sair do carro. Ao sentar-me, não me esqueço da barra da saia. Mesmo bêbado mantenho a compustura construída a seis mãos (Obrigado, meninas). E acabo de perceber como ser interrompido me faz bem, melhor que ontem à tarde. Cuidado! Costumo punir excessos. Eu nem mais me lembrava do e-mail da secretária do Senador. "Marcinho, meu querido, estou te esperando... os livros." Vou me desfazer do conselheiro. Assim: "Prezado Sr. Conselheiro, não me aprecia ter o meu medo estripado. Você sabe quem são meus escritores preferidos. Esteja à vontade." E eu me sinto muito à vontade para devolver o presente. Nunca sonhara que o teclado do laptop fosse tão desconfortável. Sim, é um fetiche que eu nunca imaginara descansando no meu colo. E eu não hesitei em procurar no céu-da-boca do Conselheiro formas flexíveis de agradecimentos. O toque do celular irrompendo minha madrugada. Agora!? Pega um táxi, eu pago. Quantos e-mails trocados de segundo em segundo. Tenho messenger instalado aqui, se quiseres... Adoraria (risos), mas não podemos. É verdade, troca-se uma letra: não podemos. Por que tinham que explodir Londres? Estava tão (i)legal. Por que não se exonera o secretário de segurança pública? Eu teria café-da-manhã na cama e não precisaria rasgar embrulhos de presente diantes atentos olhos azuis do diplomata.