30 de mar de 2006

Os tambores de Josué

"Aqui estais chegando, meu prezado conterrâneo, pelos vossos próprios méritos e sem nada dever a ninguém.(...)"

O Diabo das Pequenas Coisas: Luis Fernando Verissimo

E pensar que esse detalhe surgiu em um blogue, se não me engano.

24 de mar de 2006

Beijo de jacaré, abraço de macaco


O Poder da Pesca, originally uploaded by joaobambu.

As pranchas que se afastam da praia são resquícios daquele dia ontem à tarde. Sol de açúcar se desmanchando de medo das Luas. Os Cara-de-pau. Os Cremes-de-leite. Água doce escorrendo do umbigo da menina que acabara de complentar 12 anos. Seria pedofilia ensinar-lhe shodô? Apologia, talvez. Não havia pêlos para se apoiar, caso caísse da goteira a nudez languida dos olhos azuis a secar aqüíferos jordanianos. (Chamem, os árabes, por favor!) E no reflexo do laguinho formado no seio da pedra, lágrimas adultas bebericavam. Os tiús agradeciam. Risadas disfarçavam o constrangimento solado, soldado. Quando o mar se recuperou da ressaca, o matacão lhe disse: poxa, você fica muito nervoso com a gente. Sou bruto, caralho. Gargalhadas de tão sinceras assustaram as gaivotas pousadas na linha do equador. Sem estrupação, gritou alguém. Os risos estereofônicos... (preferiria que fossem por streaming) ... ensurdecedores. Não se podia conversar ao celular. O mar sacudiu-se em ondas altas que fulaninhus de tal adoraria surfar e recolheu-se atrás da ilha (de edição?). O respeito adquirido por ter se tornado aquele que fala o precisa ser dito aguçou o apetite de todos. Afinal, deus não pode (não quer!) comprometer a política do tapete de petálas de rosas brancas. (Foram duas garrafas de cachaça mineira divididas por cinco, ao final de 37 minutos. Quem venceu a aposta? Eu, ora.) O mar de revolto, se fez triste e saiu para escutar o epicentro do maremoto que se anunciava t-i-m-i-d-a-m-e-n-t-e. Segura a pemba, doido! Era o dever-de-casa. E ele se comportou com um general de gabinete.

23 de mar de 2006

Soldados serão julgados por fazer sexo em quartel


In The Bone, originally uploaded by aggies92.

Vou pesquisar antes de escrever, minha experiência não vale. Eu sabia que era punível de expulsão, mas a possibilidade de trabalhar no hostil galpão, longe da tranqüilidade proporcionada pelo ar-condicionado, me convencia a simular o prazer. Quantas estrelas haviam no céu de brigadeiro, além da constelação de áries, ascendente em escorpião? Nunca me recusei. Aguardava pacientemente o final da ordem unida. Não que fosse feio, ao contrário, beleza não faltava aos olhos azuis que seduziam quem quer que se aproximasse. E eu sempre sério e emburrado. Você é sortudo, dizia uns. Será que mais alguém sabia? Os sorrisos, os tapinhas nas costas, a camaradagem; nada era gratuito. Meu silêncio assustado travestido de indiferença transpunha os domínios da comarca. Nunca me perguntei se do saco furado sairia vento, mas não via a hora de ir para casa.



22 de mar de 2006


butterfly at arboretum, originally uploaded by mturnage.

De queda livre, sem pára-quedas.
Seria suícidio, se não fosse poesia.

Ornamentais, sem platéia.
Seria sem propósito, se não fosse poesia.

Justiça condena hospital de MG

Ah! Se fosse nos Estados Unidos...
O menino chorando. A pipa estancou.
Bolinhas de gude escondidas atrás da guarda-roupa.
A quanto tempo, não mexia no template. Me sinto uma criança brincando de barquinho.

O auto-engano dos livros (matéria do Observatório da Imprensa)

Há! Há! Há! É por isso que não entro em livrarias de shopping center. Prefiro a crise alérgica desencadeada quando respiro o ar cheio mofos e ácaros. Pode-se vê-los em suspensão. As traças e as aranhas podem ser boas anfitriãs quando acertamos a correta seqüência da senha.

21 de mar de 2006

43 Things

a nova ciberpandemia.

Google é intimado por crimes em sites do Orkut

F-I-N-A-L-M-E-N-T-E!

Revista Época Blog Brasil

Profissionais se equilibrando a 9.000 pés de altura. Acho muito engraçado tudo isso. Fazia tempo que não ria tão gostoso.

20 de mar de 2006

Várias peças e nenhuma


puzzle, originally uploaded by magnopere.

Madrugada de domingo, o lusco-fusco quebrava o encanto das castanholas. Amor? Jogo-o sozinho. Os vencedores perderam mais do que sentem. Perigos que nos fascinam quando os asfaltos recapeados nos chamam, plumas para pés quentes. Poderia ter ido parar no sexto anel do Inferno. Zombo da morte, como ela desdenha meus pêlos do braço, razão pela qual, horas antes, acompanhava a partida de sinuca, rinha de cão de rua. A bola branca encaçapava todas as outras na seqüência determinada pelo desenho da mangueira. No reflexo do copo, reconheci rostos familiares. Era tarde demais para pedir desculpas ou prometer retornar ligações, que nunca seriam atendidas. Concentrei-me na partida, o jogador queria mais do que olhares invejosos de todos do salão. Bastava a sua. De decubito ventral na cama de solteiro, rezava para que minhas vísceras deixassem de tremer. Havia sido apenas um descabida declaração do ébrio adestrado. Desencaxei as peças do meu quebra-cabeça para que fulaninhus de tal o montasse. Só não imaginei que peças perdidas seriam achadas. Antes eu tivesse ido para o beber com o capeta.

18 de mar de 2006

De lado


the dark side of me, originally uploaded by Bruno Abreu.
Atrasado cinco minutos do horário combinado. O foyer tornou-se pequeno diante a raiva do fulaninho. Não faça mais isso. Não gosto de esperar. Desculpa, disse-lhe. E quando você está de prontidão? É diferente, me respondeu. Medo de que eu não viesse? De que tivesse acontecido algo de grave comigo? Ele me olhou de soslaio e nada disse. Entregou-me os ingressos. Vermelhos. Um pouco amassados. Examinava o acabamento das entradas em papel couchê como se degustasse costelinha de carneiro ao molho de sherry. Como foi seu dia? Ótimo! Tentava reconhecer o nome de alguém conhecido da equipe técnica. Até que ele as tomou da minha mão, guardando-as no bolso interno do paletó.

Poderia ter compartilhado com ele a crônica das notas fiscais rasuradas. Foram seis. Oito. Mas preferi poupá-lo de um cotidiano bobo, tolo, besta que vinha me sujeitando a troco de quê? Correntes de ouro em suspensão. Sonhos transcritos às 3h e meia da manhã. Estou com dor de cabeça. Fui almoçar às cinco horas da tarde. E mesmo ocupado me passou várias mensagens por celular, a tarde toda. Provavelmente, tédio e a forma encontrada para aliviá-lo, seria imaginar que alguém o aguardava. Alguém que mal conseguia segurar a caneta esferográfica de tão calejadas estavam as pontas dos dedos. Você recebeu minha mensagem? Tanto que estou aqui, respondi-lhe; desta vez fitando-lhe os olhos. Mantive-me preso ao olhar que me transmitia insatisfação. Que não se repita. Quando for se atrasar, me avisa.

Por causa de cinco minutos trovoadas ecoavam dentro do teatro, não mais lá fora. Baixei a cabeça à procura de desculpas convincentes, mas tudo que eu lhe oferecia de volta era o olhar marejado, denunciado por uma voz sufocada. Um choro que há muitos dias fugia de mim. Privacidade, por dois minutos. Tive um expediente atribulado; comecei a esbouçar uma explicação. A maioria das pessoas que está aqui também teve. Basta observar. Só me interessa observar você, falei. Preciso tomar uma cerveja. Mais? Guardei para mim a palavra que poderia desencadear ofensas mal direcionadas. Você realmente quer assistir a peça? Não; me respondeu, balaçando a cabeça. Então vamos para um lugar mais calmo. Era como se eu falasse sozinho. Acompanhei-o até o bar sem distinguir rostos supostamente conhecidos. Ele pediu a cerveja ao garçon, enquanto tirava a carteira do bolso. Procurava, entre notas de cem e cinqüenta, dinheiro trocado. Não encontrou. Buscou nos bolsos. Foi jogando sobre o balcão tudo que ali se encontrava: maço de cigarros, isqueiro, centavos de moeda americana, as chaves de casa, a do carro. Do outro bolso tirou um pen drive, o celular que quase foi ao chão. Curiosos assistiam a ridícula cena, imobilizados de... medo? Com certeza, assustados. A glock e a funcional juntaram-se aos outros objetos como se fosse a cereja do bolo. Entreguei meu cartão ao garçon, atônito, e pedi que passasse no débito, rezando para que a venda fosse processada antes que o fulaninho terminasse de socar seus pertences nos bolsos. Ufa! Obrigado, Senhor. Vamos? Ele realmente detestava esperar.

Dentro do carro, perguntei: O que aconteceu? Não gosto de ser usado. Por certo você deve ter se deleitado me fazendo esperar diante seus amigos. O quê?! Que amigos? De quais premissas você partiu para chegar a essa FALSA conclusão. A 120 km/h preferia que ele se concentrasse no trânsito, no semáforo, nos quebra-molas ao invés de vilipendiar meus colegas. Magoado, fiquei calado e não pedi que me levasse em casa. Deixei a cargo de sua consciência. No retorno do balão do aeroporto clareou-se suas intenções. As minhas, desde de manhã. Ao entrarmos no apartamento, fui direto para o quarto. A roupa cuidosamente sob o recamier, dobrei. O lençol cheirando à estoraque arranhava minha pele do dorso das minhas costas. A sensação de fervura no peito cedeu ao sono. Fui acordando com o peso de um corpo bêbado me puxando pelos quadris. Fingi que estava dormindo. De mim ele não ouviu nenhum murmúrio.

17 de mar de 2006

Blogging | Outreach and outrage | Economist.com

Os links das blogotecas; finnícius wakeado a enjoycear veleidades pela estreita janela do quartinho dos fundos. Pétalas de sabão, bolas de flores. Buquês. Poderia ser de vinho tinto. Lençóis molhados. Suor à 15º celsius. Tremelico. Me escondo na banheira para me proteger da chuva que vem depois do gozo. A água contrabandeada de Poços de Caldas em garrafões de água minerail, transborda. Fria. Desperdício, grita Aroeira. Eu sou aroeira, Marcinho. Eu não fazia idéia o que significava isso. Arrependido? Agora não dá mais tempo. Fernando Pessoa me assopra um poema. Sou o epilético enrrolando a língua. Viva. A saliva que escorre da boca provém da raiva. Oba! Por causa do churrasco. Teremos cerveja a granel. A fumaça, a picanha e os erros. A fotocópia de apenas dez por cento: compromissos de amanhã. A morte do escritor: compromissos de amanhã. (Cadeira vaga. Na munheca, não) A peça do Paulo Autran: compromisso de amanhã que se tornou hoje, sem que eu me desse conta.

Brazil | A nation of non-readers | Economist.com

Temos um mercado em potencial. Foi isso mesmo que eu entendi?

Brasil é nação de não-leitores

Nem por isso.

15 de mar de 2006

De paraísos e infernos

O nome dele era Gottlieb.

Geraldo Alckimin versus 'Carismático da Silva'

Naum estendo a maum a pessoas carismáticas. Vaum ser simpáticos lah com seus eleitouros. Brum... Brum... Multidaum di ovelhinhas, cavalinhas, caveirinhas, pisoteamassadas. Ensopado de Chuchu com lula flambada. Sob o efeito do finn que vem acolah. Duas doses de caipiranha. Sirva-se e volte cah.
Enquanto limpava a santa, Cínthia comentava com a cozinheira a visita do comandante. Tive medo dele me agarrar. Não era isso que todas gostaríamos? Era apenas um desejo que lhe vendava os olhos impedindo que da cabine de comando levantassem vôo. O caça supersônico agachando-se para pegar uma flor arrancada pelo vento. O Comandante oferecia à Cínthia mais que uma singela pata-de-vaca branca, oferecia a cura para o vício das laranjas sem sementes. As feridas não se cicatrizam. Ela tremia na impossibilidade de pronunciar correntamente seu nome. Um convite para jantar. O belo casal dançaria por horas, dias, semanas. Era desejo. Nada mais do que isso. O freio que cegava Cínthia.

14 de mar de 2006

Vinícius em Cy

Poeta, poetinha, camarada. Quão longe você foi, que ainda não voltou. (Nem voltará.) Aprendi com as Penélopes a esperar. Na era da telemática as notícias são raios de sol a nos queimar a vista. Não pode ter sido um ferimento profundo.

11 de mar de 2006

A ossada de US$ 150 mil

Se confirmado o fato, a família do engenheiro João José Vasconcellos, seqüestrado no Iraque, estará amparada. Moeda de espécie alguma por mais valiosa que seja ameniza a dor da perda de um ente querido. Mas sem seguro fica infinitivamente mais difícil. Ou não? Pode-se ocorrer uma tragédia ao se discutir a partilha de bens. Pode-se surgir amigos interesseiros mais que traidores a nos sorver a fortuna. Não sei bem o que aconteceu, me dissera a paulistinha fantasiada de samambaia.

42, originally uploaded by Zac Chen.

"Só havia os dois na montanha pairando no ar eufórico e amargo, olhando de cima o dorso da águia e os faróis rastejantes dos veículos na planície, suspensos acima dos assuntos corriqueiros e longe dos mansos cachorros de fazenda que latiam quando escurecia. Eles se achavam invisíveis."
Idem


Goodbye, My Lover, originally uploaded by ngeva_01.

"A camisa parecia pesada até que Ennis viu que havia uma outra por dentro. As mangas estavam cuidadosamente colocadas por dentro das mangas da camisa de Jack. Era uma camisa perdida sua, ele pensou, há muito tempo atrás em alguma lavanderia. Sua camisa suja, o bolso rasgado, com botões faltando, roubada por Jack e escondida aqui dentro da camisa dele. As duas camisas eram um par como duas peles, uma dentro da outra, uma coisa só. Ennis apertou o rosto contra o tecido e respirou vagarosamente pela boca e pelo nariz, esperando que houvesse um resto de fumaça, de sálvia da montanha e do doce e salgado mau cheiro de Jack mas não havia nada, só a memória, o poder imaginário de Brockeback Mountain de que nada tinha restado a não ser o que estava nas suas mãos."
Annie Proulx (Trad: Adalgisa Campos da Silva,2006)

Ministério Público pede quebra de sigilo de usuários do Orkut

Olha a tempestade que estava vindo. A enxurrada vai revolver todo o lixo escondido debaixo da cama. A população apavorada de tão desamparada corre em direção à ponte. Atravessá-la. Saltar? Monitoro as imagens, na ilha de edição. Sinto prazer ao vê-las. Contribui conforme me cabia. Felicidade navegando no triste mar de agosto.

10 de mar de 2006

Rompendo Fronteiras e Discutindo a Diversidade Sexual na Escola

Eram astronautas meus professores?

pantalla de movil, originally uploaded by miook.

Estou ligando desde ontem. Miojo com iogurte não foi uma boa escolha.

9 de mar de 2006

Blair garante a Lula investigação no caso Jean Charles de Menezes

O que o falará os nossos detratores?

Quando a discriminação vira notícia

Desculpem-me minhas leitoras, o Dia Internacional da Mulher transformou-se numa data de consumo desenfreado.

7 de mar de 2006

Presidente Lula em Londres

O que os assessores militares do presidente Néstor Kirchner devem achar disso? Não que me importe. Mas adoraria ter perguntado ao senhor que desvia o olhar quando me aproximo.

6 de mar de 2006

Bolo de vento aos perdedores


Impresionismo 2 - La vuelta, originally uploaded by aagg.

Ao pôr os pés no chão: "até estancar o sangue." Enquanto estava arrumando a cama, reelaborei a frase: "deixa o sangue estancar, resmunguei." Seria uma frase interessante para inciar o post de hoje (20/02). Passaria a impressão de que havíamos ido além do simples desentendimento dos casais complicados. Não me entrego facilmente a quem se oferece sem pudor. Isolou-se debaixo das almofadas, até o dedo voltar a estralar. "Olha, o morto." -- disse a mal-amada. Oi, Helena! -- respondi, sem que elas esperassem, à amiga, que também deve ser uma mal-amada, porque mal casada, sei que é. Batom vermelho num aniversário de criança é sinal que está a procura de homem. Casal se esfregando ao dançar. Péssimo gosto. Todos aplaudiam. Exbicionismo tem hora e lugar. Você não vai ser servir? Não, obrigado. Quando estou contrariado nem apetite sinto, quanto mais vontade de fazer o social. Necessidade de voltar para debaixo da cama onde escondo aquela saudade moída. Estou apaixonado e todos desconfiam. Os telefonemas, os e-mails imprimidos, as idas ao orelhão, as fotografias digitais reveladas em papel couchê. (Para que ele guarde no fundo falso da gaveta da estante, o que se banalizou.) Passo uma mensagem pelo celular. Encontro marcado. É improvável que algum dia venha beijar-lhe a boca durante a cerimônia de formatura. Seria expulso imediatamente da coorporação e minha amiga me pergunta: Você tem fetiche? Muitos de nós temos. A sensação de segurança, de proteção. Disse-lhe que qualquer lugar seria muito perigoso ao lado dele. A hemorragia nasal nos atrapalhou qualquer intenção. E era o domingo de sol forte que eu havia pedido a Deus.

4 de mar de 2006

A vasculhar históricos (II)


Peruvian Lily, originally uploaded by mjross.

-- Marcito, são bonitas as alstroemérias?
-- Bonitas? Elas são lindas. Pena as pétalas serem tão frágeis. Elas são apropriadas para compor buquês compactos, daqueles usados quando vamos recepcionar alguém no aeroporto. As de cores quentes resistem por mais tempo.
-- hmmm...
-- Por quê?
-- Estou pensando.
-- Na roda?
-- Não. Apenas pensando.

A vasculhar históricos (I)


Webcam, originally uploaded by Michael Battista.

-- E aí, grande Marcinho, fmz?

-- Tranqüilo, Tobalo, e contigo?

-- Então, está é sua cara...rs.
(Ele se referia a minha fotografia no visor do MSN.)

-- Estou morrendo de vergonha de ti.

-- Sou eu mesmo. Flagrado ao acordar, rs

-- Ainda não lhe enviei os e-mails.

-- É até que você é um cara simpático...rs

-- Gentileza tua.

-- E os projetos? Conversou com o pessoal da COGER?

-- De perto até que engano. De terno então, nem se diga. Fui recebido como chefe-de-estado.

-- E eu sou feio de qualquer jeito..rs.

-- Que nada. Muitas vezes temos um certo charme que desconhecemos.

-- É, a mulherada sempre me diz isso...rs.

-- (...)

Deixemos por alguns segundos a ficção na gaveta e vamos tecer uma pretensiosa crítica literária. Esse poema (clica aqui e depois volta) da Miss Eckardt (Oi, Dorinha!), colaboradora no Ponto Cego, reafirma a idéia que tenho da mulheres gaúchas. Elas exigem com elegância, sem subterfúgios ou pudores, que o homem cumpra seu papel; principalmente, quando, por motivo qualquer, ele se recusa. As gurias sabem o que quer e estão acostumadas ao mando. A quem possa interessar, sou extremamente desobediente e não há pimenta suficiente no mundo que me corrija. Pelos simples prazer de ser do contra. Ficou fácil, me conquistar, não?

Há uma música do povo

Cortesia de um colega blogueiro, residente do Porto. O poema do Fernando Pessoa na voz da Teresa Salgueiro. Quase não consigo mais deixar o site do Madredeus.

3 de mar de 2006

A vinte reais o vaso


Proibido Estacionar, originally uploaded by Roner Marcelo.

A voz da Elis vindo de algum lugar da web. "Me deixas louca." Na lavanderia, meia hora atrás, fraquejei ao preencher o comprovante do cartão de débito. Esse não precisa assinar, senhor. Basta a senha -- me dissera a mocinha de piercing no supercílio. Porque ao conferir a data, a tempestade se fez dentre de mim. Está chovendo forte, não? Diz isso, senhorita, porque não olhou aqui dentro de mim. Peguei os ternos. Agradeci o gentil atendimento e resolvi enfrentar as linhas transversais que nos bloqueava a olhar. Paisagem dos sonhos, se plantasse milho. Gotas. Granizos. Enxurrada, lama. Queria entrar em casa antes que o Fornazze chegasse e descobrisse que eu havia lhe mentido. Sim. Ele chegou há dez dia e eu continuo me encontrando com o formando da turma do Oitavo. Você buscou meus ternos? Busquei, sim. Algo mais? Zombo da morte, que a raiva esconde.

Depois do almoço, vamos levar crisântemos brancos perfumados à lápide daquela senhora com quem sonho quando me deito cedo. Enquanto a lasanha termina de assar, ele tomará seu banho, sentará à mesa, vestindo apenas cueca. Branca, boxer. Vai me pedir que lhe sirva vinho. Tinto. Miolo. Ele me observará soprando o alpiste do Miro. Tecerá ditos monocórdicos sobre o buquê do vinho, sobre as uvas, sobre meus pés. Me pedirá um favor, e eu concentrado nas marcas que o cutelo faz na tábua-de-carne, me recusarei. O tomilho picado exala pela cozinha a senha. Me abraça pela cintura. Me convence a desligar o fogo do feijão com um beijo na nuca. E me explica minusiosamente os planos para essa tarde. Preciso ir ao cemitério antes, querido. Mesmo que seja só.

2 de mar de 2006

Que sejam belos, mesmo forjados


O beijo, originally uploaded by Juliana Leitão.

Acabo de ver num grande portal da web fotografias do carnaval de Salvador. Foliões se beijando. Nenhuma ponta inveja, tampouco de excitação. Deve ser muito gostoso: axé, suor, saliva. E é mesmo. Contudo, falta um ingrediente aos modelos de abadá, aos fotojornalistas, que torne as fotos relevantes. Espontaneidade, a foto, tal qual beijo; melhor roubado. Não há porque forçar, quando ambos querem. (Ele queria no seu íntimo) Há de se entregar à gostosa surpresa do inevitável, principalmente quando não podemos nomear os desejos escamoteados para debaixo da mesa centro da sala-de-estar.


Doves, originally uploaded by GeoffNascar.

O frio da sua indiferença me aquece.

Nos han dado la tierra

Ah, a saudade. Mocinha sardenta que não conseguia pronunciar o nome do meu pai.

Todo sobre Pedro Juan

E pensar que para meu amigo sociólogo castelhano seria o mesmo que grego.

Re [corte] Cultural

Sir Michel Melamed me convenceu.

Bestiario

sem mais, nem porque.

Manipulação, Contramanipulação e persuasão no discurso Presidencial: mecanismos circunstanciais ou sempre atuais?

Clica ai. Fecha. Clica nesse outro. Também não. Pesquisa de novo. Entre aspas. Salva esse link para mim! Esse tema me interessa.

Alguns minutos depois, na outra mesa.

-- Você não vai mais me ajudar?
-- Estou aqui, qualquer dúvida me pergunte.

E nem o telefonema esperado ele quis atender.

Rainha fará pedido de desculpas velado por Jean Charles

A propósito, vestibulanda:

Grã-Bretanha: Inglaterra, Escócia e País de Gales

Reino Unido: Grã-Bretanha + Irlanda do Norte, alguns territórios e várias possessões, entre elas, Falklands, vulgarmente conhecida como Ilhas Malvinas.

-- E a Commonwealth (Comunidade Britânica), primo?
Essa guria andou estudando. Ela quer me pegar.
-- Não sou enciclopédia. Nem tenho pretensão. Busque no Google.
-- Mas, Marcinho...
-- Posso te orientar na escolha dos links.

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações

Assim fica fácil demais.

Queen or clown of doves, originally uploaded by caraguevo.

Vamos alimentar os pombos, enquanto não aparece ninguém.

1 de mar de 2006

Fênix em vigília


B.r.a.s.í.l.i.a., originally uploaded by Marcao.

Do seu carnaval, só quero as cinzas. As vinte horas de sono ininterrupto. As dores a procurar asilo nas costas do escapulário. Nas nádegas desfraldadas. Um aconchego, para o rapaz que se aproximou sem se anunciar. Você se entrega facilmente aos gigantes. Pés de barro. Sujos. Fomos assentar um mármore na casa do Coronel. Relaxar o esfíncter e soltar a respiração. Seria uma fórmula, se não tivesse sido uma graça alcançada. Chora, sangra, espuma. Como é difícil te amar, Márcio. Amar? Me empresta o notebook que eu te mostro a face escura do sentimento enterrado, ontem à noite, atrás do canteiro de tomates. Vamos ao cinema amanhã? Depois da missa, respondi.