31 de ago de 2005

Sousândrade (1833-1902)

Ele se antecipou a James Joyce e a Ezra Pound.

Auauauauauávamos


Choque!choque!choque!, originally uploaded by André Amorim.

Do encontro entre o pitbull e o chiuaua se viu olhos alegres. Porque ele me mentiu, diante tantas revelações? Muita culpa guarda aquele coraçãozinho. Sabia que tínhamos algo em comum.

30 de ago de 2005

Um pouco de história

Passou a vontade.

Viveca, Mandrake e Rubem Fonseca

"Depois alguém me perguntou, 'você que não gosta de tirar foto com ninguém, tirou com o travesti?' Respondi, 'tirei exatamente porque era um travesti, um homem que saiu do armário e enfrenta a discriminação gritando desesperadamente. Pelo mesmo motivo que me levou a dar apoio explícito ao projeto de lei da Marta Suplicy, legalizando a união civil entre homossexuais'. Se há uma coisa odiosa, é a discriminação, de qualquer tipo."

Embolados

"(...)
meu amor ele é demais nunca de menos
ele não precisa de camisa-de-vênus

Ouça o que eu vou dizer meu bem me ouça
o que ele precisa é de uma camisa-de-força
(...)"


Não consigo me livrar dessa melodia.

O que ele precisa é de uma camisa de linho. E eu uma de seda.

29 de ago de 2005

Um domingo na história

Quando me provocam respondo: vá estudar medicina, vai!

Vaslav Nijinski (1889-1950)

"(...) Ele praticamente traduz em palavras o fluxo da consciência. Registra suas idéias usando repetições exaustivas que transmitem emoção aos pensamentos e, ao mesmo tempo, criam uma narrativa em ritmo desenfreado. (...)"

Antonin Artaud

"(...) a psicologia, questionada, posta contra a parede, é que preciso justificar-se diante de tais obras. " sic

Quem? Onde? Como? Por quê? Para quê? Para quem?

"Estela vive a sua poesia falada, as vezes gritando, rindo ou sussurando delicadamente. O falatório de Estela nos remete a poesia de Nijinski ,e aos escritos de Antonin Artaud, quando escrevia incessantemente para não perder a lucidez. "

Incompatibilidade

Mudou totalmente o sentido. Possibilidades poéticas.

Gênios

"(...)
Coou
meu café na café na calça pra mês segurar.
(...)"


Não adiantou.
Ele perdera o vôo na fila do check-in. Você fala muito rápido, lhe dissera a americana, após soltar uma risada esteriofônica. "É porque você não ainda conheceu os recifenses" -- pensou.

27 de ago de 2005

25 de ago de 2005


fireworks4, originally uploaded by P & P.

Para espantar o mal agouro, neste ano astrológico que ora se inicia. Parabéns papai e mamãe.

24 de ago de 2005

ACNUR

Por onde tenho navegado que ainda não havia lido a história dos refugiados. Queria eu ser proficiente em Inglês. Porque o antropólogo português não me dissera nada? Ocupado demais a procurar minha língua. Foram apenas beijos, caso contrário, estaria extremamente arrependido.
Tenho evitado qualquer manifestação de águas escorrendo pelo bebedouro seco da esquina nove de Setembro. Parabéns para moça de azul que acena sutilezas no caixote. Grito ou uivo? Encaro o motorista da caminhonete estendida e aceito o convite de jantar do Conselheiro e ainda molho meus pés na pia do lavabo. Cor-de-rosa. Turqueza. Verde. Anil. Passadeira persa. Dentes de alhos dourados. Fogo brando. Proibido de pronunciar menina. Muita afetação para um só rapaz, me dissera Branca. Arrependo-me das duras palavras proferidas. Palavrão na minha boca é doce. Torta de morango. Lava bem a vulva quando sair do banheiro, ensinei à balconista. Esfrega com a mão esquerda (ela era destra). Sabonete líquido nos pêlos da braço. Não havia corrimento porque ela sempre me obedecia. Já o bebedouro não. Como vinha dizendo, este estava vazio de tão seco. O supermercado fechado. O conselheiro coçando o nariz. Coriza. Eu a procura de um garfo. Estamos atrasados para a prévia de quarta-feira.
Continuo a escrever lá de casa. Acabou de chegar o excelentíssimo Doutor Pára-brisa. Todos impostam de voz para falar com ele. Transformam-se em formigas antecedendo o aguaceiro. Os telefones gritam meu nome. Será que ninguém pode resolver? Quer falar contigo. É, eu sei. Vamos nos encontrar em Florença, quando for inverno nos trópicos. Os italianos, péssimos negociantes, trocam as tabuletas. Distintas, amassadas, fédidas. O Doutor me chama para me fazer a mesma pergunta de mil maneiras diferentes, continuemos amanhã. Talvez mais tarde sentado na cama conseguirei compreender o haraquiri. Só queria saber se você respondeu à carta. Não só a respondi, Doutor, como também reservei uma mesa para doze pessoas na creperia de uma amiga minha. É onde quero estar. Cansei de traje a rigor.

23 de ago de 2005

Respeito publicitários, mas ao sentar-me ao lado de um, inevitavelmente, sinto ânsia de vômito. Corro para o banheiro, onde jornalistas estão cagando, andando e sendo aplaudidos. Os cavalos e as éguas da polícia de choque estão pisoteando o gramado.

22 de ago de 2005

11º Jornada Nacional de Literatura

Quem sabe um dia.

stethoscope, originally uploaded by uaeadorable.

"O único aparelho de escuta que eu tenho em casa é um estetoscópio."

Antonio Palocci Filho
(Ministro de Estado da Fazenda)

19 de ago de 2005

Só apanha se quiser

Odila, bem-vinda!
Se me permite, vou fazer da resposta ao seu comentário, meu post do dia. Estamos lendo:
Perto do Coração Selvagem. Clarice Lispector. Francisco Alves. 1995. 16ª Ed.
Contos e Novela Reunidos. Samuel Rawet. Organizador: André Seffrin. Civilização Brasileira. 2004. 1ª Ed.
Os Cus de Judas. António Lobo Antunes. Vega. 1979. 2ª Ed.
Como dissera, não necessariamente nessa ordem.

18 de ago de 2005

Clarice Lispector, Samuel Rawet e António Lobo Antunes, não necessariamente nesta ordem.


Small Kid, originally uploaded by JragonsLayer.

Este post para vai para o leitor que me pediu três sugestões de leitura. Se não me bastasse a Branca e o Pônei a me perguntarem: o que eu leio? O que eu leio? Eis que me surge do ciberespaço esse querido inquisidor.

Não ouça Puccini antes de tomar a primeira xícara de café do dia. Com certeza você irá no apartamento do amado procurar pela escopeta escondida. Não escutei o conselho. O punhal não servia. Há sangue, demais, escorrendo pelo asfalto. Como se os projéteis não fossem arrebentar todas minhas emoções. Como se eu não precisasse me trancar no quarto.

Protegido de mim mesmo e dos beijos incandecentes, guardaria as sobras de pizza perto do coração, ou num cu de judas qualquer, quem sabe na fronteira com o Equador. (O jantar estava delícioso.)

A congregação de lobos. Congresso decadente. Samuel seria um anjo macio a nos polinizar. Sinto-me um herege, invocando seu nome. Samuel. Ipês brancos. Vô Samuel nos chamando para colher flores em Lácio. Naquele dialeto vejo-me déspota, orgulho da mamãe. Analfabeto cometo parricídio, sem contar outros crimes lesa-pátria.

Daniel, meu irmão, onde está você? (Não é você Gaudz e sim o parceiro do Pônei. Aquela dupla da RPMon que comentei contigo ontem à tarde.) Sinto saudade do molho de chaves, do passeio de moto ( a perna queimanda), do bolo de laranja, as piadas, do lenço. Eu poderia te ligar, ou te escrever, mas prefiro compartilhar da dor de pessoas que não existem. Personagens que não surram. Ciumentas, é verdade. Mas tenho mais domínio sobre elas, do que tive sobre tua imaginação. Minhas prioridades tem sido outras. Nosso passado me serve de húmus. Sinta-se um privilegiado, portanto. Conheço pessoas que gostariam de ser retratadas por mim, mas nunca deixarão de ser o que exatamente são: anônimos. Especula-se até que num futuro próximo eu escreveria um romance sobre fatos testemunhados no gabinete do ex-Deputado L. E. M. Gente! Era apenas um cacto. Que inferno! Jamais, Daniel. As imagens tão fortes quanto o amor prometido sobrepõem-se sobre mim. Elas mandam, eu obedeço. Sim, Dona Morte.

17 de ago de 2005

O amor e seus heterônimos


, originally uploaded by aagg.

Depois da manifestação, fomos namorar ao crepúsculo, às margens do lago Paranoá. O Critoën de porta aberta, o som no último volume. Uma música irrelevante, diante dos beijos estralados. Estávamos vulneráveis, demasiados expostos. Mas o amor nos protegia. Nosso engano demorava a se recolher. Disse-lhe que tinha medo. Ali não era o lugar mais apropriado para a gente, esquecidos, se mergulhar em abraços apaixonados. Alguém poderia estar nos observando de alguma janela. E mesmo se tivessem nos observando, pensariam que se tratava de um casal de namorados. O que somos de fato, disse-me.
-- Gostei de você ter tirado uma folga para me acompanhar ao protesto.
-- Quem lhe disse que estou de folga? Chegando em casa, você vai me ajudar a escrever o relatório.

Bravata. Nem cheguei perto do laptop. Mas, irritei-o bastante, ao perguntar como ele me garantia que na Esplanada havia 10 mil pessoas.

-- Você pode enganar outro, não um geógrafo. Com a fotografia aérea do local, eu te digo em cinco minutos quantas pessoas havia lá.

-- Caralho! Já te disse que o helicóptero não estava ali para isso.

-- Então, ele estava lá para quê? Não acredito que o governador tenha enviado snipers para sobrevoar-nos. Afinal, vocês estavam lá.

Ele me pediu que eu fosse esquentar a lazanha. Obedeci, convencido de que voltaria ao tema, ou me recusaria a desfazer os nós dos lençóis.

16 de ago de 2005

Vamos falar sobre política

-- Para dar conta de você, tenho que tomar viagra.
-- Para dar conta de você, tomo calmantes.

15 de ago de 2005

De táxi com a Sorte


DSC02880, originally uploaded by otzberg.

No táxi acompanhado de uma Gisele, sonhei que era beijado pelo Ouvidor-Geral. Um beijo miúdo, apertado, cheio de acácias mimosas e sulfurosas. Fitando-lhe nos olhos, disse-lhe: basta! A modelo nos observava através da volúpia enternecedora dos anfetaminados. Quem está articulando o golpe? Eu precisava saber. Testar as hipóteses, angariar fundamentos e provas. O distanciando impregnado desde anos castanha-com-ameixa, não me permitiria divulgar os nomes, tampouco devolver os livros apócrifos. Assim seria fácil demais. A calcinha de rendas brancas era de um perfume que dias atrás eu não pudera sentir. O Ouvidor-geral rindo do meu esquecimento entumecido, me causava repulsa. Sêmen dos querubins, garoto. Chamem as hortênsias, Doutor! Eu as quero cheirar também. A modelo me mordiscando os lábios escuros, meu lóbulo furado, meus cotovelos-joelhos-calcanhares. E o golpismo, Doutor? Esqueça isso, guri! Não sei. Mas se você quiser mando uma barca te deixar em casa. Queria ser Aquiles. Morrer naquele momento de fluídos orgânicos me escorrendo pela boca, me sujando a barba. Por fim, foi eu que procurei os finos lábios rosados da autoridade. Esta tua omissão me conduziu à fronteira. Aquele ramalhete de rosas vermelhas não era para mim. Porque você diz isso? O Ouvidor esquecera suas promessas, eu continuava fiel aos meus princípios. A modelo se afastara do nosso suor para poder se tocar sem nossa interferência. Agora somos nós, moleque. E eu desistira de formular perguntas, só pedia clêmencia. Já que o senhor faz questão, que seja carinhoso. Não quero me encontrar com meu proctologista antes do Natal. A modelo me prendeu a cabeça entre suas torneadas coxas de uréia, misericordiosa ela, e me ensinou a relaxar o esfíncter. Pude ver, então, a Verdade. Tarde demais. O sacristão se esforçava para me lembrar que os sinos controlados remotamente lamentam as perdas. As estufas com seus roxos lisianthus em botões. A edição fechada. Essa semana vai ser difícil.

13 de ago de 2005

Um voz rebelde

Não me surpreenderá, se o Nobel de Literatura vier para as mãos desse ilustre Senhor.

12 de ago de 2005

Sobre o pronunciamento de hoje à tarde

Se é para me desbobrar em mil, fa-lo-ei mesmo se firmamento estremecer. Trabalho voluntário tem sido minha única fonte de êxtase, bálsamo para minhas úlceras. E quando o cansaço apertar, ou o sono corromper, passeio entre as imensas e longas e estreitas prateleiras da biblioteca. Estão todos lá, ávidos pelo meu toque, sedentos pela minha análise. Eles são tão criativos... Trago cinco deles para minha mesa. Preciso de apoio.

11 de ago de 2005

Passei, praticamente, a noite acordado. Ele ronca. Pior, ele se automedica. Mas ser acordado pela manhã com beijos seguidos de "parabéns pelo seu dia", me fez relevar. É só o que eu tenho feito.

10 de ago de 2005

Trabalhoso negar


Fruit of our labor, originally uploaded by cgrabig.

-Acho indigesto morangos no café da manhã.
-Indigesto é você ir embora.

9 de ago de 2005

Nagasaki não, meu bem.


DSC01700, originally uploaded by Kuwacky.

Poesia no ombro largo do suspiro. Significa paz, explicara-me ele. Paradoxo: o polícia promovendo paz. Não sei como você consegue comer doce no café da manhã. Ele tentava travessar a enxurrada no desespero de ontem à noite. Oi?! Dedos estralando diante meu olhar perdido. Oi?! Beijo com gosto de papaya. O ideograma a me lembrar dos Cantos. A jornalista a mostrar destroços do terror. Ele passou a prestar atenção no jogo de imagens e voz, quando me emocionei. Terminada a reportagem, deitou-me cuidadosamente na cama, acomodou minha cabeça no travesseiro para que eu pudesse recordar da noite anterior. Mordiscou-me os lábios entre intervalos de doces beijos, literalmente, doces, daquele mesmo que me dissera que não conseguia sequer experimentar no café da manhã. Com tanto bolo de fubá, era de beijos que ele tinha fome. Eu preciso ir embora. Tenho que abrir a loja. Pede a conta, por favor.

8 de ago de 2005

Mushrooms, champignons, cogumelos, seta?


Micro mushrooms, originally uploaded by Hello Treacle.

O que se destinava apenas para comentar minha indelicadeza, desaguou na digressão minha de todos os dias. A poliglota poderia me responder a essa inquietação, já que se encontra on line, mas prefiro aguardar ser capaz, eu mesmo, de disolver minhas dúvidas primárias. Sossega, menino! Nada mais inverossímel do que lavar as mãos a todo momento. Você acerta ao errar... Eu prometera à Princesa, ao apresentar o croqui, que não complicaria o que por si só, apresenta-se intrinsecamente complexo. Mas, hoje de manhã, ao folhear o jornal, me convenci de que estaria talvez seguindo a estrela correta. (Não deveria ter vendido meu GPS.) "O estilo consiste em escrever como nos dá na veneta."(Sofocleto) Retorno depois. As idéias começaram, novamente, a se debaterem. Passado cinco minutos, interrompido por uma elegante morena de tailler rosa choque que me lembrou os holofotes ofuscantes, volto para finalizar o post. O que venho fazendo, bem ou mal, foi por causa de um alucinógeno. Não esperava te encontrar. Vagava. Nesses tempos de agentes da Polícia Federal investigando profiles e scraps, posso me comprometer por causa dessa confissão. Ressalvo, no entanto, que nesse espaço virtual não se faz apologia à entorpecentes ou se promove transações comerciais ilícitas. Minha pressepada passa por dentro de um branco afunilado túnel . Fique bem claro: branco! Ao me expressar assim, até parece que estou induzindo alguém a me ligar, até parece. Só não digo nunca, porque nunca é demais.

P.S.: Liga logo, caralho! Estou de saída.

Nunca fui de deletar post. Mas depois de Cold Mountain não consigo olhar para mais ninguém.

P.S.: É de se lamentar o ítulo do romance em português: "Montanha gelada".

6 de ago de 2005

Hiroshima não, meu amor.


IMG_2124, originally uploaded by apilchin.

Tolo sou eu. "Ôh! Se gosto de bater. Não foi por acaso que trabalhei dois no BOPE." Tentei mudar de assunto, mas ele queria me descrever seu doentio perfil de sociopata. (Você se envolve com cada um!) Por fim, ele concordou em escutar-me. A solidão deixara um vazio, por mais que gritasse por socorro, ninguém me respondia, além dos olhos castanhos prestes a me apunhalar. Dessa vez a volúpia e a dor não se encontraram.

5 de ago de 2005


, originally uploaded by Runs With Scissors.

Não era bem essa foto que eu gostaria de publicar, mas em tempos de liberdades individuais comprometidas, não convém divulgar fotos de pescoços. Obrigado, viu. Foi muito bom. -- dissera-me o cidadão que não pretendo encontrar novamente. Talvez eu tenha me esforçado demais. Poderia ter sido mais contido. (Pára de se lamentar. Você gozou, não gozou?) Não deveria ter me afastado das minhas leituras. Assim, me esqueceria de uma vez por todas que sou feito de carne. Na casa de swing da Madame Flor, reescrevi o manual de boas maneiras. O que até, então, vinha sendo minha imaginação resvalara-se na realidade. Grunhir do prazer, gemi no medo e gritei na dor. Embebido de volúpia, apoiei-me os sentidos na nuca do capitão. A língua da puta me serviu de bálsamo.

4 de ago de 2005

Você poderia ao menos passar uma loção nesta tua barba.

3 de ago de 2005

Fluorite rosary


fluorite rosary, originally uploaded by Sophie_vf.

Calma! Não foi esse. Sou escrupuloso (vulgo caxias), tratando-se de bens alheios, a ponto de incomodar os mais sensíveis. Priminha, esse post é especialmente para você e seus amiguinhos. (Com licença, leitores do DiCla, preciso xingar.) "Que cara chato, amor!" -- ouvira antes de deixar a cozinha. Se estou responsável por duas empresas, quatro pessoas, mais a cadela, o hamster, os cinco peixes (ai! de mim se acontecer algo aos bichos) e as plantas (principalmente!) não posso deixar à revelia gastos, horários e compromissos. Há pessoas que, atentas, admiram minha dedicação e eficiência. O rosário, nem conto pela beleza, mas quem trouxe de onde, abençoado você sabe por quem, me serve de acalento. "Trouxe, especialmente para você, Marcinho." E a história do tempo fechado ficará para um próximo post, a indesejada chegou hoje mais cedo. Ainda bem, estou retorcido de fome.

2 de ago de 2005

Gazebo


Gazebo, originally uploaded by ptofnoretrn77.

Para moça que me descobriu no Skype. Como conseguiste? Isso é um gazebo. Conto com a tua discrição. [;)]

Por que as algumas pessoas usam do poder econômico para me convencer a ir para cama com elas? Será que trago escrito na testa: "Aluga-se"? Nada contra (nem a favor) os rapazes que trabalham à noite no estacionamento do shopping aguardando o leilão; ou aqueles, mais afortunados, aguardando, no conforto do flat, o celular tocar. Eles são bonitos, charmosos, carinhosos, viris (principalmente), robustos (nem todos), jovens (há maduros também), perspicazes, vaidosos, educados, cultos, usuários-traficantes (alguns), ladrões (dependendo da oportunidade). É uma fauna muito variada, diversificado safari. Só não digo que tem de tudo, porque não terminei ainda de ler a tese (que vai ser publicada por uma editora italiana) da Antropóloga Dra. Cristina Mendonça Alburquerque. Eles prestam serviços; eu sou levantado às três e cinqüenta sete para observar os delfínios floridos na estufa onde minhas pretensões ricocheteiam aleatorialmente. Vou levar dez pacotes. Metade branco, metade azul. O promotor vai se contentar com exuberância das flores.

1 de ago de 2005

Biblioteca de la Universidad de Salamanca

Dois posts no mesmo dia? Estou sozinho aqui no gazebo, aproveitemos, portanto. Sábado à tarde, liguei para a Princesa, aquele telefone de toda semana, para perguntar como ia a vida. Depois continuo, chegou gente.

Há pessoas que me desarrumam o caminhado, uma delas é o acionista. Eu gagejo, eu tremo, coração acelera, minha pele se desmancha em suor (Sudorese. Ah!), rubor facial. Não sei. Não há espelho aqui, além dos olhos da minha gatinha. Ganhei uma gatinha do meu amor. É verdade, que se trata de uma pelúcia anti-alérgica, mas ao menos não me causa aflição. O tom de voz do acionista me lembra um comandante motivando a tropa. Nada mais facista. Para nossa surpresa, ele aos poucos vai desmontando a cara amarrada e o tubérculo de voz se adoça. De repende, aprende-se a cumprimentar, a se despedir com um aperto de mãos. (Ai! Minha mão gelada.) Liga-se para agradecer. Foi, então, quando ele se engasgou com meu nome. Assim como eu, ele não se desculpou. Vamos fingir que não houve erro. Que não erramos ao nos encontrar depois do expediente para fins extra-comerciais. É um bom cliente, compra bem e paga direitinho, passa alucinógino nos lábios, transmite tesão pelo beijo. (E um monte de bactérias, eca!) As mãos que me prendiam a cintura, simplesmente dissera: vamos com calma. Antes vou procurar justificativas para os crimes dele. Assim, posso continuar sereno, limpando a janela do meu quarto sem pensar que cortina vai combinar com as paredes pastel.