26 de abr de 2005

Dicla, o que vai ser da gente agora? Eu preciso de um HD novo. Não sei começar o dia sem ler meus e-mails. Não sei terminar minha noite sem antes desejar bons sonhos aos meus amigos. A informatização mais que uma resposta, nos trouxe várias perguntas. Vou voltar a escrever a máquina, enquanto não consertam nosso computador. Querido diário, você agüentará minha ausência por uma semana? Ou mais? Tampouco eu. Não queria ter entrado nesse parque de diversões, chamada Blogolândia. Principalmente, porque às vezes, entra um vírus e acaba com todos os componetes da nossa máquina, assim, de repende. E agora? Vou gastar um dinheiro que não tenho em cibercafé, como faço agora, espremido pelo tempo para poder postar, enquanto...; ou: ligar para o perito em informática que deseja me ver desfilando de mini-saia, salto alto, maquiado e de trancinhas? Não tenho muita escolha. E todos nós temos muita pressa. Me sujeito a crueldade do destino, mais uma vez a rosa salmão mucha no pé sem ser colhida. Se o polícia mais uma vez botar a arma na minha cara exigindo que eu vista calcinha, eu vou... não sei! Realmente, não sei.

22 de abr de 2005

Perdoa-me os erros. A euforia não me permite pensar. Vou fazer uma sacanagem, e dessa vez não será na pista de atletismo do colégio. O gramado do campo de golfe ficará castigado de tanto óleo de peroba derramado propositadamente. Baby, é sêmen dos impuros. Depois a gente se arrepende e se confessa. Vamos nos pegar no banheiro do botecão. Bar cheio, todos mamados até o tampo. Ninguém sentirá por nossa falta. Se disserem: "Porra! Achei que tinham ido embora". De pronto, respondo: "Não estou bem. Acho que vou vomitar, de novo." E todos riem e nada desconfiam. Ou até desconfiam, mas falsificamos tão bem os rótulos de champagne, que para eles não importa se nos beijamos na boca ou pescoço; se abraçamos fortemente na piscina ou se andamos de mãos dadas na penumbra da madrugada. Ainda se pode andar pelas ruas da capital às três horas no dia de Lua Triste. A polícia até que tenta nos intimidar acionando a sirene. Para o pernanbucano, aquilo foi só mais um motivo para apertar ainda mais minha mão: "Está com medo? Relaxa!" Eu tenho medo, Dicla, de amanhã não poder estar aqui contigo para compartilhar meu cotidiano com seus futuros leitores. (Desde que nenhum deles seja meu pai. Hi, hi, hi! ) Eu nunca vou me referir ao Recifense como me refiro a ti. Ele nunca vai ouvir de mim: Meu querido, T., mesmo ele me dizendo que me quer muito e que vai me levar embora daqui. O que serei de mim sem esse horizonte a me dizer até onde eu posso ir? Eu quero fazer uma sacanagem, sim! Enquanto o Centauro e seus amigos não retornam do Rio. E dessa vez não me importarei se for em público. Atentado violento ao pudor, só seria mais um processo para longa ficha do meu amigo de Recife. A afeição aumenta, cada que ele brinca de me afogar na banheira. Eu queria que não fosse ficção. E é! Só não sei até onde. Vou tentar estar mais presente, querido diário. Mais assíduo. Não só contigo, mas também com as minhas obrigações acadêmicas. Não posso vacilar. Afinal, o que o T. mais admira em mim são meus comentários quando saímos da sala de projeção.

18 de abr de 2005

Eles nos querem prestando atenção na fumaça que sai da chaminé. Tudo bem. Que a preguiça tome conta do que restou de mim. Quem sabe amanhã eu esteja de bom humor e resolva me dedicar ao movimento das nuvens. Não que o final de semana, tenha sido aborrecido, ao contrário. O recifense fode pr'a cacete. Aliás, nem precisava, só seu sotaque já me levaria a orgasmos desconcertantes. Vou deixar o celular desligado o dia todo. Quero ver como se comporta um coração que se diz assombrado com o castanho dos meu olhos.

9 de abr de 2005

Recebi, na madrugada de hoje, uma prova irrefutável que ele me ama. Uma lágrima caiu inocuamente no teclado testemunhando nossa paixão. Precisava dizer-lhe o quanto me sentia protegido pelo seu ato. Não tive tempo. Fora isto, comi arroz com ovo no almoço, debaixo do mesmo abacateiro de sempre. Este já nem mais me expulsa à bacatadas. Parece que se afeiçoou a mim. Pudera. Meus olhos escuros castanhos, inchados de apanhar, entregam facilmente, minhas contradições congênitas. Olha a sintaxe estralando minha quinta vértebra. A árvore se deleita... Fui à biblioteca e estudei o quanto minhas pálpebras permitiram, versificação clássica. (Portanto, ...) Um dia quem sabe não aprendo a me dirigir a tratores com polidez?
A caminho do estacionamento, decepcionado com o ipê branco de tão florido, rasguei uma fresta na parede de páginas de livro que concluía seus trabalhos. Amanhã é segunda-feira, surpreendi-me ao olhar para o relógio; nem conto mais com o domingo -- mesmo morno, chuvoso e televisivo, assustei-me. E aquela sensação de me automutilar agitou uma folha de pata-de-vaca interrompendo meu cemitério íntimo. E a vontade sobrepujou-me: sacar toda a poupança e voltar ao inferno: degustar café descafeinado, tomar cerveja sem álcool, fazer suco de tomate-caqui. De jeito nenhum. A bacia vermelha cheia de camisas de linho branco de molho me espera para jantar. Antes que eu me vá, publica, virtual e anonimamente declaro: Gaúcho, eu te amo. Nunca imaginei dizer isto a um homem que não fosse pai. Continuemos com o treinamento, se permite, com uma única mudança: não.

8 de abr de 2005

(...) Gostaria, também, que minhas anotações pessoais fossem queimadas.

7 de abr de 2005

Tenho que linkar meus visitantes.
Responder os comments
Estudar para o seminário.
Porra! Desde semana passada, acordo assustado por causa dessa apresentação.
Vou comer alguma coisa e dormir.
O professor vai reconhecer meu empenho.
Radicalmente comprometido.
Não vejo de outra forma
Não há opção.
Aliás, o aluno ouvinte, vai escolher bacharelado em Jornalismo ou Letras e Literatura Brasileira?
Enquete encerrada.
-- (...) vou te dar uma pirocada servida!
--Com quem você acha que está falando?
--Não embassa, não! Vem logo. Puta, eu trato assim. Vem dizer que não você gosta?
--Esquece! Você está muito alterado hoje.
--A gente estaciona lá atrás do estande.
--Amanhã te ligo.
--Se não vier, não precisa ligar mais, não!
--Não posso sair à noite.
--Mando uma viatura te buscar.
--Aqui no meu bloco? Enlouqueceu!
--Quer ou não quer?
--Adoraria, mas não assim.

Ela pegou um táxi e foi. Antes, parou no McDonald's para comprar um Big Mac para viagem. Ela dorme atravessada no sofá. Parece exausta, talvez culpada. Chegou aqui em casa chorando e sagrando. Não entrou em detalhes. Receio pela vida dela. Eu conheço a figura. Tenho vontade de ligar no celular dele para lhe dar os parabéns.

6 de abr de 2005

Blogando de um telecentro, a quinhentos metros do Memorial Juscelino Kubitschek. Qual a vantagem? Nenhuma. Apenas o fato do ar condicionado estar ressecando o buquê de goivos azuis, que para mim sempre será lilás. Jamais haverá apreensão desaprendida da ansiedade de se esperar por um quem-sabe-amante com quem acabo de trocar fotos pelo messenger (duas horas atrás). Nick: Barica. Apelido desde quando servia nos Dragões da Independência. Só a simbologia valeria o esforço da mentira e o risco da perda do resto filete...
Eita, caralho! Um rapaz de cabeça raspada acaba de descer as escadas e entrar na sala. Ele aperta a boina, como se fosse um tique nervoso adquirido. Tenso, parece procurar por alguém. Escondo o livro no meu colo sem me denunciar. Ele não me mentiu quando disse que praticava artes marciais. Tem porte. Duvido que seja mesmo judô. Ele não me dissera que era fumante. Há! Há! Há! Omitiu com receio que eu o rejeitasse, talvez. Por quantos minutos ele poderá me esperar?
O tesão o deixou cego. Nem se eu acenar para ele, será capaz de me perceber. Seu celular toca, ele examina quem era e o desliga. Ele realmente está disposto a sofrer. Se tivesse a paisano, eu me entregaria. Foi até a portado amplo hall de altíssimo pé direito. Está olhando no relógio. Acendeu outro cigarro. Já é o quinto. Não vai ceder. Olha lá para fora, para ver se alguém parecido comigo vem chegando. Será que não passa pela sua cabeça de couve-flor... Ele descansa a mão sobre o revólver guardado no coldre do colete à prova de balas. Não gosto dessa parafernália toda, me parece que espera pelo pior. Parece que quer intimidar.
Pegou o celular e está ligando para alguém. Deve ser para mim, suponho. Celular fora da área de serviço ou desligado, após o sinal... Ele está gravando uma mensagem! Precisa andar enquanto fala no (?) telefone? Meu leãozinho acuado, porque raspar essa juba?
Fim do jogo, as flores estão sentido. Não há porquê deixá-lo agoniado por mais alguns minutos. Bem que ele merece, por ser coorporativista. Não há justificativas para ações de grupos de extermínios.
OFF TOPIC (Réplica): Nunca sabemos aonde o afluente deságua

Nem vou explicar-lhe. Este diário que nos guarda, trata-se da mais pura ficção aplicada à exponencial inversa da hipotenusa quadrática (perdoa-me , não pude evitar esta digressão). Esqueceu-se que não faço uso de psicotrópicos? Não bebo. Apenas omito. De acontecimento, no post anterior, só as "bolas" que tive que entregar na Polícia Federal (Ah! o meu domingo de descanço...). Eu precisava de um contexto para encaixar o fato que lá estive. E por pouco não fui preso por desacato a autoridade. Sou humilde o suficiente para reconhecer que a autoridade ali era eu. (Nossa! Deixa de pedantismo!) Tive vontade amarga de mandar duas dúzias de filhas-da-puta tomarem naquele lugar cheiroso... Ainda bem, que aonde vou, levo minhas luvas. Tem neguinho me odiando por eu ser tão hábil espadachim.
Chegamos no bar por volta das 21h. E se, o Estica não tivesse reservado nossa mesa (para quê essa frescura, filho?) teríamos que beber no conforto da casa da Vasconcelos. O que não seria má idéia (por mesmo eu ficaria). Estava e estou cansado desde a semana passada. Ainda em conseqüência do domingo no qual permanecemos o dia todo na Superintendência da Polícia Federal pendurando "bolas". Tomar sereno, gelado e tapinha nas costas não é para mim. Principalmente, quando há trilhões de pessoas que eu nunca vi antes me chamando pelo apelido. Sem gelo, por favor!

5 de abr de 2005

Se eu fosse viver da prostituição, morreria de fome. Resmungou ao ver o Audi passando sem percebê-lo parado num ponto estrategicamente iluminado. Sentiu muita raiva daquelas sujeitos que não se importavam em gastar combustível à toa. Não entendia a lógica do jogo. Até que viu, à distância de dois postes de luz, quatro policiais militares abordando um rapaz. O luar não lhe permitia se esconder. Encolheu-se dentro de si, esperando a abordagem padrão. Ao ser perguntado o que fazia ali, disse-lhes a verdade. O polícia com a lanterna ofuscando-lhe a visão, mandou-lhe deitar-se no chão. Nunca pensara em cometer um atentado violento ao pudor.

4 de abr de 2005

Vamos construir lingüinças debaixo dos portões verdes que selam nossa saudade austríaca? O ligustro a caminhar pela coluna vertebral, ora mármore rosado, ora marshmellow insonso, vértebras da zebra negra. Me chamam de Lua, antes do meio-dia; durante invernos homicidas, de Sol. A luz por mim emitida faz a plantinha me revirar em codinomes indecifráveis e ainda assim gosto de assinar seus comprovantes de cartão de crédito (desenho rúbricas à base d´água para que ele , o ligustro, aceite meu convite). Nada nos convence a digerir corações servidos em falsas baixelas de prata. Vou refletir sobre o verde, enquanto me desapareço na azul fumaça levantada pela plantinha, enquanto não me telefonam para me dizerem: até que enfim. Estou em stand by, nem por isso vou esfregar os kimonos pingando a suor. Vou a biblioteca mais tarde trocar nossas passagens aéreas. E para o jantar, vou, sim, servir-lhes rodelinhas de lingüinça de carne marreco ao molho de pétalas de rosas chá. Quem não quiser, que não (nos) coma!
Caso toquem no assunto, conto-lhes a verdade: Sou aquele filho que havia sido abandonado na porta do Convento das Irmãs Mercedárias. Todos, eu disse todos, sabiam da minha existência, mas lembrar do dia que eu nasci, seria tabu, sendo eu, filho da estelionatária foragida, cafetina na maior parte do tempo, e do alcólatra sifilítico, prostituto de boa estirpe (nada mais almodovariano). Isso que é ser um pouco gay. Tem dias que dá pra tirar uma onda, outros não. Não se surpreenda, portanto, querido diário, ao ser acordado com o telefonema de que blogueiro esfaqueia filho de deputado, supostamente amantes, em frente ao STF. Pais condoídos se perguntam: Como não houve testemunhas, numa área de policiamento ostensivo?

2 de abr de 2005

OFF TOPIC (Obituário): Evangelho Segundo São Judas
O Papa faleceu, disse ao meu vizinho que ansioso pelo estado de saúde do Sumo Pontífice me pedira notícias. As palavras do meu querido colega não as reproduzirei, em respeito a crença alheia. Pedi, com tato, que guardasse sua opinião consigo.
Os novos links, Dicla? Semana quem vem. Meus dedos estão cansados de fazer marketing pessoal. Acabo de colher frutos carnudos de tão doces. Servi-lo-eis semana próxima, se a tempestade se recolher.
Era 1º de Abril! Minha mamãe não é de morte; mais algumas garrafas de pinga, ela chega lá.
Continuo puto! Mas se estou aqui conseguindo digitar, é porque já se amenizou a fervura nos meus intestinos. Na aflição, na agonia, nada melhor que o atrito da esferográfica vermelha na folha A4. Pode parecer neurose, mas só consigo escrever em folhas sem pautas. Linhas retas distraem minha criatividade. Parece que quero chegar a algum lugar, mas desconfio: não serei bem recebibo. Por isso, as curvas; movimento curvilíneo originando uma espiral. Fractal. Rima, para mostrar a tentativa frustrada de se compor um único verso. Rimo para me esquecer que foi primeiro de abril. Quem sabe agora me animo a digitar as oito páginas escritas, na sofreguidão, ontem à noite. O Guilherme merece, minha irmã também. Um fato tolo, relevante no todo.
OFF TOPIC (TELEVISÃO): Ainda sobre o BBB 05
Uma pessoa muito querida: "-- (...). Ele foi sincero em dizer que era gay."
Eu, engasgado com o suco de bacuri (!): "-- Sincero, porque lhe convinha ser..."
Achar que o professor deveria ganhar, não significa que se estava torcendo por ele. Algumas benesses lhe concedo, assim pensam eles. Desde que, aquele cumpra seu papel social. Vai que aproveito a ocasião e digo claramente: "-- E se fosse eu, no lugar dele, expondo claramente minha orientação sexual?" Papai continuaria a me receber em sua casa? Jamais! Ouço piadinhas, das 7h10 da manhã até por volta das 23h e apesar do constrangimento, da violência psicológica, moral e física, tudo não passa de uma gostosa e divertida brincadeirinha. Acontece que, se até Desembargador toma uma resposta mordaz minha, daquelas que não se pode fazer nada, a não ser degustá-la, se for perspicaz o suficiente (Oh, Senhor! Por onde passo arrumo inimizades.) o que dirá aqueles que ascendem a luz do meu quarto procurando roupa para dormir? Eu risco com canivete a porta do carro e volto a dormir em paz.

1 de abr de 2005

Minha queridíssima madrasta, meia hora atrás.

-- Fofinho (de quem, nem imagino) vai ter uma jantarzinho aqui em casa, conto com a sua presença!
-- Mãe?! Bença! (sic)
-- Deus te abençõe.
-- O convite se estende a um amigo? (Disse só para provocar/irritar, já que ele está no Rio --conforme havia-lhes informado.)
-- Claro! Traz ele, preciso conhecer esses seus amigos... (risos)
-- Mas, mãe... hoje, é sexta-feira... sou solteiro...
-- Seu cachorrão! (gargalhadas) Sendo filho de quem você é, não me admiro. Juízo, heim? Não quero fazer reconhecimento de corpo no IML (ela ficou traumatizada); nem ficar levando cigarro para você na cadeia.
-- Sai! (Ela ficava bem humorada, quando abusava do álcool. Podia ter sido sempre assim.)
-- Se você resolver, venha com aquele seu terno azul marinho. Você fica lindo de terno. Já pensou, trabalhar de terno.
-- Deixa comigo; ainda te faço uma surpresa. (Quando ela estava bêbada e carente, eu a tratava com mais carinho -- porque havia uma deixa.)
-- Beijos e te cuida!
-- Bença (sic), mãe.
-- Deus te abençõe, meu querido.
Budapest é logo ali, Luís.