22 de jun de 2009


mel low y ello w, originally uploaded by Dyrk.Wyst.
Depois esvazio a despensa, antes os beija-flores a me perseguir. Hoje a frieza dos calcanhares me assopra verões. Tenho medo de que o telefone toque e eu não possa atendê-lo. Meus dedos sujos de mel percorrem córregos, riachos, rios, lagos e lagoas sem a esperança de que o destino mar se realize. E não se engane leitores, se me faço faca é porque as tentativas se concretizaram. De fato, falta-me assunto, sobram-nos biscoitos salgados, falta-me geladeiras, sobram-nos gelatinas cor-de-rosa sabor chocolate. Como se fizessem diferença. As rosas amarelas no vaso vicejam um aroma diferente. Elas debocham. Um estilete afiado me releva quem fui anteontem. Todos me conhecem, ninguém sabe quem sou, nem eu mesmo. É uma batalha contra o tempo num labirinto hostil. Alguém tem a chave desse ciberespaço onde me encontro?

Sobrenomes impronunciáveis tentam elevar minha auto-estima. Viva, o MSN. Viva, o ultrapassado Orkut. Tenho dono, amor, como você deve ter sido informado nos posts anteriores. Coleira machuca, mais que afaga. O cachorrinho não sabe latir quando quer parar. Irrelevante. Agora sim estamos juntos e comungando do mesmo alfabeto. Laranja denotava todo o tesão que estava por vir. Em cima da moto, ele parecia se masturbar. Mesmo assim, meus sorrisos se reprimiam atrás de tijolos verdes. Musgo, epífitas e afins. Se minhas falésias pudessem dizer bom dia correria atrás de toda jurisprudência, o direito de estar só desgustando uma partida de futebol. (Não será uma vírgula que trará sentido a minha vida).

A semana começou mal, até aqui nenhuma novidade. Nada do que me propus fazer conclui. O caderno escondido dentro do chip obrigá-nos a ler códigos aleatórios. Posso desistir, a mestruação não vai descer. Você foi minha maior decepção, meu pior investimento. Frase que ecoa dentro de mim, me torturando dia e noite. Escondo-me debaixo do travesseiro e deixo a fantasia me dominar. O estupro seria consequência se houvessem causualidades. Fragmentos tornaram-se moda e eu não sei como reverter toda minha imperícia. Talvez devesse me dedicar a sinfonia dos pobres, seus sapatos e suas camisas... Observe, Dicla, o estacionamento do shopping, lotou de repente. Tarde da noite procurava emoções, poderia ter sido assaltado, poderia ter acontecido o programa. Tragédia pessoal. Sim! Sou chamado a atenção: você amaldiçoou seu colega. Posso não saber louvar, mas minhas réplicas contundentes estraçalham o chumbo de nuvens fracas. Havia uma tempestade formando-se sobre meus pés. Alguém dissera algo contra mim e a carranca daquele que diz me querer bem tentava me intimidar.

Olha só, ÍMPIO, respondi-lhe, não construa argumentos sobre axiomas falsos. Foi fácil colocá-lo no seu lugar. Atrás do monitor do laptop, estrumes ferviam. Raiva muita raiva por não saber contra argumentar, me contradizer. As palavras que saem da minha boca são interpretadas como convém aos reis da corte. O bobo aqui não sou eu. Tirei a máscara, desci do salto, amarrei a luva e golpei sem pudor. Vocabulário abrangente faz diferença nessas horas, algum adjetivos anacrônicos e puff... jazia morto um desafeto. Cheirava a carne podre esquecida em gavetas mal refrigeradas. Os vermes em orgias celebravam a vida. Tive piedade dos tomates, tão vermelhinhos, mas a força tomou conta as minhas pernas e pude almoçar em paz, refrescando-me com as palavras da doutora: Você está muito bem. E repetiu com ênfase, você está muito bem. A doutora fita-me os olhos com se soubesse que se não fizesse assim suas palavras perderiam valor. Agradeci, vibrei, concordei. E quando perguntado se estava tudo bem, não pude deixar de contar-lhe uma história que ela classificou como assédio moral. Deixei passar a oportunidade de conseguir uma licença de seis meses. Gostaria de nunca mais olhar na cara dos ímpios. Resistirei até a cãimbra cansar-se de contrair meus músculos. Vaidade é o meu pecado favorido, disse o diabo. Inveja se afasta com folhas de arruda no colarinho do chopp escuro que escorria do copo quando o garçom nos perguntou se desejávamos mais uma porção de quibe cru.

19 de jun de 2009

Encontrar amigos on line no MSN, rouba-nos todo nosso tempo para postar algo considerável. Ela é uma vagabunda, ele um cafajeste. Será que não estava claro para ela que ele desde o início queria apenas uma trepada, no máximo duas? Mulher burra, essa minha amiga. Fico devendo, o real tema desse post: o registro da consulta com a psiquiatra. Adianto, que foi excelente (parece mais uma sessão de psicoterapia) apesar do antidepressivo estar cada vez mais caro. Mulher inteligente, aquela minha amiga. "Como assim psiquiatra?" DiClan, muita coisa mudou nesse periodo em que não consegui compartilhar contigo e com vocês, leitores, as emoções vorazes da noite brasiliense. Aos poucos vou te atualizando (digitando os cadernos que acumulhei). Não se assuste.

18 de jun de 2009

Por entre túneis


salt mine, originally uploaded by micul_alex.
Nem acredito... A borracha, o lápis, a caneta e a folha A4 cumprimentam-nos (me) pela tentativa. Oxalá! Dez para meia-noite e a criança mentia surdamente para aquele que nomeio momentaneamente de Almir. Disseram que quando a "coisa" pega fogo você joga água fria. Boricada, meu bem, para acalmar as veias. Teu desintupidor de ouvido me afoga em sensações extrasensoriais. Ele ri. Aqui faz frio. O ranger de dentes nos denunciam. Pudera. Provaria todo néctar abençoado se seus afagos fossem desalinizados. Meu túnel privado não te levará a lugar nenhum. Falta-me (nos) coragem. Alguém me empresta um isqueiro. Preciso queimar as duplicatas que nos restam. Almir era só gargalhadas. Tem alguém nos escutando: Maurício. Ele disse te conhecer. O amarelo-roxo. Lembrei-me. Manda um beijo para ele, mas... Não mando porra nenhuma. Ciúmes. Te parto em bandas, melão e cia. Agora era minha vez: ri da ameaça. Não é porque suas mãos são ásperas e por você dominar técnicas israelenses que pode falar assim comigo. Cala, vagabunda. Sei como você gosta de ser tratada. Desliguei o telefone. Interrompi por tempo indeterminado a ligação. Celular lançado na lixeira mais próxima, mas há sempre um msn para nos (me) denunciar. Ele me encontrou on line, minutos após. Liga a webcam. Mostra-me a língua curtida de tantas chupetas mal sucedidas. Almir se assustou com os hematomas. Quem te fez isso? Cínico. Do outro lado, a webcam mostrava seu sorriso diabolocamente sarcástico. Prefiro esquecer a frustação e tentar tudo de novo. Em quanto tempo você estará aqui? Manda uma viatura me buscar. Quem sabe, não termino de revisar os processos antes dos capatazes chegarem. Eu mesmo, pessoalmente, irei te buscar. Acorda do sonho, garoto. Ele não vem. Promessas são beijos secos de tão barulhentos. Fui dormir com a sensação de que algo me queimava por dentro. Eram fluídos e eu (nós) sentia (íamos) a imensa necessidade de traduzir as vontade verdadeira do herói enjaulado. Dormi um sonho conturbado. Caminhar aquela hora da madrugada seria uma desculpa se não fosse realmente uma imensa necessidade. Almir, mata aula amanhã. Eu mato o serviço. Seremos homicidas em cima da cama fazendo do proibido o amor que guardamos por meses até nos encontrar. Me liga daqui a pouco. A rua está pesada. Entra no msn. Estou me sentindo tão só. Preciso dos seus pés a me percorrer a espinha. quando ele quer, consegue ser extremamente persuasivo, diário ausente. Isso é um pedido ou uma ordem, Almir? Você que sabe, depois não reclame das consequências. Almir só queria assistir ao último streap tease da miss gay, veados mal montados. Foi fácil. Porque a frieza gatinha, não tem ninguém aqui na sala. Acreditar seria mentir par amim mesmo. Tirei a camisa e me exibi desavergonhamente numa sala de estar mal iluminada. Você me ama? Quem está falando de amor, cacete. Sabão, sabonete e detergente para essa sua boca porca. Terá que escovar muito bem seus brancos dentes alinhados antes de procurar me entorpecer com suas carícias. Preciso ir dormir, Al-MIR. E meu colo não te serviria me travesseiro. Melhor não confiar. rottweileres não tem senso de humor. Tentativa salada de agrião: e o jogo, amor, quem venceu? Que me importa o futebol, quando posso chutar a gol na sua marca de penalti. Ah, Almir, você me lembra um menino quando gosta de mostrar-se machinho. Corinthians venceu o Inter por 2 a 0. Meu silêncio emudeceu as avencas. E agora? -- pensei. Você havia apostado? Aguentar aporrinhações. Não. Aposto naquilo que não acredito, mas mesmo assim arrisco a provar. A minha parte estou fazendo. Se não ser certo, ao menos terei uma história para contar, a quem quer que seja.

17 de jun de 2009

O surto passa através de paredes maleáveis e anotações perdem-se no esgoto imaginário de nós mesmos. Semelhante trilha de rato (sentia-me numa masmorra-noite-de-natal-carnavalesca, estratégias parabólicas.) Bombaim estacionara próximo dos pés tortos de cervejas, absintos e alcóois alterados. A dança situava-se no mezzanino forrado de barbitúricos etílicos ou encostavam-se nos tijolos falsos de calabolsos da capital de um república imperialista da qualquer América Latina, ou nem isso, pudesse, embora. Sem efeitos.

Juro,
Juro,
Juros,
Janeiros.

A grávida apresenta-se dentro de mim e nós partíamos para outro estacionamento de shopping supermercado parasita-paradisíaco-parabrisa. Junto e separado pela velocidade incandescente de bolas boleira-boleiro, ambos sentidos.

As críticas pulavam de janelas suícidas e eu me questionava sobre o uso indiscriminado de medicações cozidas em brasas azuis, cozinha do métier.

Para começar.

O vizinho me tortura com olhares enviesados. Ele quer. Eu quero. Quereríamos se não housessem clarisses e lispectors discutindo a conversão de deuses em heróis, semi-deuses. Esqueço para neutralizar a dor-dores-dolores de anteontem. Urge prática sistemática da lebre, nem tudo pode ser assim tão espremido numa fila de transeuntes nos quais pastilhas bonificadas flutuam em banheiras de motéis baratos da EPIA SAIS. (Quem conhece a capital, sabe onde localizar cruzeiros florences. Flórida, meu amor. Floripa, meu bem.)

O homem guapo esculpido em tragicomédias de latéx sensoriais, pudera, embora,b aó de barro. (Aqui ocorre a deixa que não consegui evitar: Tu Barão. "Vamos à feirinha comprar perdões desculpares.")

Erros sequencias sem tremas ou drenos numa única noite ensolarada. Vênus visível a olho nu implorava clemência. Inveja-invejosa de não ter sido convidada a participar do lachinho fast-drug-food. São efeitos. São Jerônino e Gabriel. Anjos que me livraram da vergonha do vídeo postado, vocês, leitores privilegiados, devem imaginar onde, porque e como. Vergonha e censura nessas horas andam algemadas por verdugos bonachões. Calças pretas, fardas puídas de tão amarrotadas. (O vizinho complacente comia no meu prato.) Vomitara minha alma para regozijo da platéia. Vermes, serpentes e mastros cúmplices da covardia. A carne tremia, sangue minava e líquidos alcançavam distâncias surpreendentes. Não ouso ser claro como aquela lua cheia lá fora. Pecados seriam culpas se não fôssemos tão simples-simplórios. Me sinto uma criança na primeira série das nossas capacidades sem saber o que fazer com que sobrou na carteira de couro de búfalo comprado no free shop holandês aeroporto. Aeroportos.

Portos,
Porcos,
Potrancas.

"Tenho cura, doutor?" "Você é mais atrevido do que supunha."

Hipóteses pipocadas de tão levianas. Paguei a sessão e embarquei no táxi conversível daquele vizinho (olhar cúmplice) citado anteriormente. Fui feliz? Por algumas horas.
Retornei a forma original dos copos opacos de bares pé-sujo? Não sei. Ninguém sabe. Saberemos, talvez, porquanto, algum dia. Tudo jogado, assim mesmo, como se eu estivesse desfazendo as malas onde escondia nossas, mais minhas do que tuas, esperanças; azuis, pois o céu nos ilumina e Vênus nos protege mais que vigia.

Amanhã continuo de onde parei. Assaltaram o velho no ponto de ônibus. Preciso averiguar. Quem sabe não surja um outro alter-ego a caminhar pelas ruas arborizadas da pequeno-metrópole-cosmopolita-provincianesca. Passo uma borracha quando puder. Quem se importaria se a verossimilhança viesse almoçar conosco? Ninguém, Ulysses. Repito, incansavelmente, ninguém. Boa sorte aos que conseguiram. Azar dos que tentaram. Franqueza e polidez têm limites.

27 de mar de 2009

Por quanto tempo o rascunho pode esperar pela revisão? Até solucionar o problema: impossível-postar-do-local-de-trabalho. Necessito urgente do laptop. (Como você ficou sabendo, a tentativa de comprá-lo pela rede naufragou.)Os domingos a nos salvar. Única opção, para quem escolheu o caminho mal iluminado.

14 de fev de 2009

Happy Valentine's for all


A Rose for LuAnn, originally uploaded by Randy Son Of Robert.
Jamais imaginaria encontrar meu amante, no restaurante-bar, tomando cerveja com seus amigos. Seu grito, me acordou do transe, estimulado pelo suculento espagueti. Embora convites fossem aceitos, no meio do caminho havia uma biblioteca, havia uma biblioteca perto de mim. Mudei de ideia, sem avisar ninguem. As coincidências aconselham: continue. Só não é feliz quem não quer. Doravante, dificilmente me lembrarei de buscá-lo (meu amante) na minha imaginação. Hoje é Valentine's Day e sepulto o amor que me alimentava a alma. Comentário feito à bibliotecária (à guisa de anotação): A literatura alemã está mal representada, não? Quem sou eu para dizer alguma coisa, qualquer que seja, sobre a Literatura Alemã? Sou seu filho nascido debaixo das mantas puídas de ocre encardido. Ela sorriu e confirmou com um balançar de cabeça. A diversão tem hora e lugar marcado para começar. Aberta inclusive aos sábados até as 18h. Ininterruptamente. Acho que seremos bons amigos: a biblioteca, os anéis da Senhora e eu.

12 de fev de 2009



My MacBook Etching, originally uploaded by ldandersen.
Acabo de comprar meu primeiro laptop, longe de ser o que eu gostaria, mas é o que posso pagar, financiado a perder de vista. Minha carta de alforria chega junto. Seremos felizes? Talvez. Felicidade não cabe dentro de um conta-gotas e mesmo que coubesse quem iria nos administrar a medicação? Desejam-me sorte, de agora em diante é por minha conta e risco. O vale tudo vai começar e não será necessariamente num tatame, até porque o quimono, aquele velho quimono azul royal surrado já não me serve mais e mesmo se servisse, a faixa estaria tão roída, tão roída que apenas pena sentiria de nós o oponente. A Deus a sorte e a vela do navio sendo levantada, os mares bravios nos convidam a jantar carangueijo. Aceito. Não temos escolhas.

31 de jan de 2009

Plantão no MSN


Feliz navidad, originally uploaded by Viento de poniente.
Às quinze para seis, geladeira vazia. Troca-se de roupa sem se importar com o desajuno. E se preenchêssemos todas lacunas? Soaria falso. Vamos tattoar sinais de interrogação na testa, assim não apanho desse teclado que não consigo configurar. O silêncio permanece. Samba-Jazz. Toca Raul. Toca Legião, gritaria eu. "Você tem dito, como eu poderia dizer... palavras tortas." Mandar um subalterno tomar naquele lugar não seria falta de respeito, se ele não tivesse chamado minha atenção. Das lembranças, apenas adjetivos e simpatias. Que penico. Gnoqui no almoço. Alguém me olha, através câmeras. Meu Big Brother particular. Logo comigo, autentico neveu. A corrida até a parada me esfria as orelhas e o escorpião não me responde no messenger. De se esperar, de animais irracionais. "Eu sou ateu." Continua... Ele chegou

14 de jan de 2009

Jantar comigo?



Fettuccine, originally uploaded by SeetYing.
Minha confiança toda depositada em suas mãos, Debbie. (Como será que anda nosso amigo JP, o tarado florido). Sinta-se à vontade, meu amor, meu bem, minha querida. O diário é meu, mas o espaço está sob sua ordem. Tens permissão para subverter os diagramas e as palarelas. As abscissas e as ordenadas. O eixo permanece onde está. Enquanto, escorrem o fettuccine, vamos às compras, baby. Estou seco. Proseco com ritalina. Convulsão na certa. E a outra, minha ex-patroa, me diz que não agüenta mais isso. É pq não foi na tua bunda, my love. No cu dói demais. Justiça do trabalho, nela. O meu quero com molho à bolonhesa, moço. A receita segue abaixo para ninguém se perder.

Molho à Bolonhesa
Ingredientes:
500 gramas de carne moída de primeira
1 lata de molho de tomates
1 cebola ralada
3 dentes de alho amassados
1 colher de chá de oregáno
1 porção de salsa picada
3 colhores de sopa de oleo
1 colher de chá de açúcar
1/2 colher de sopa de sal

Modo de Preparar:
Refogue a carne no óleo e mexa até ficar bem corada. Junte a cebola e o alho, deixe murchar bem. Adicione o molho de tomate e os demais temperos e um copo de água quente. Misture bem e deixe ferver por 20 minutos.
Novas configurações. Finalmente mexi nos link. Blogs desatualizados que nem existiam mais. Atualizar é preciso. Viver não.

CONFIGURAÇÃO MÍNIMA

Da série: vamos as compras.

Duplo core (core 2 duo ou turion 64 x2)

2 gb de memória

Tela de 15,4

wireless

leitor de cartão

Ave Orkut! Acabo de reencontrar uma amiga de colégio. Mais uma invenção do nosso ficcionista, amigos imaginários, melhor que ficar cantando no chuveiro, todas às vezes que acorda molhado de suor e mijo. Ela mora e trabalha em Londres. Me dá notícias suas, Marcinho. Poderia sugerir que acompanhasse meu blogue, no meu diário não cabe a minha agência de notícias. Pessoal de tão íntima. Nada impede que caiba. Minha intimidade exposta no ciberespaço a troco de nada. Sou mais conhecido do que nota de um real. Por onde passo, arrumo iminizades. Inveja.

Vamos ser produtivos. Sente, seus dedos deslizam pelo teclado. Hesita: lap ou desktop. Certeza: Marca Dell. De novo. Estava ficando maçante esse merchandising de fruta. Nada de mais para hoje.

Ontem, encontrei a Arabiane on line no gmail. A cadela me bloqueou. Filha-da-puta. Procuradora de merda. Em Porto Alegre só há lésbicas estrábicas. Ao me ver, ela se decepcionaria comigo, assim como se decepcionou (suposição) o enfermeiro barbudo? Ninguém saberá responder. Só Deus, que não atende a porra do celular.

God, que mundo pequeno. A capital é um ovo. Ovo de codorna. E dois milhões de habitantes ndiferentes. Não se pode falar mal de ninguém, sem que em meia hora a outra pessoa já esteja sabendo.

"Me lembro de ...." não o deixei completar a frase. Pronto-socorro, 24 de novembro, passavam das 22 h. Acompanhantes se preparando para dormir. Eu, euzinho, sentado numa cadeira, dura, iria passar a noite sentadinho numa cadeirinha, tomando litros e mais litros de soro. Exagerado como sempre. 14 gotas por segundo. Hidratação. Estava morrendo. Deixe de melodrama, já sabemos que alguém nesse estado está por abotoar o paletó. Compraste. Comprei. Pagaste. Paguei. Não há necessidade de repetição. A enfermeira pediu meu braço. Estendi-o, taticamente. Retira meu sangue, baby. Retira todo ele. É sujo. Batia no meu braço à procura de uma veia onde iria inserir a sonda por onde correria o soro da vida.

Ao amarrar o garrote, porém, pedi a audição, sensação de ouvido entupido; queria falar, mas não conseguia mover os lábios; logo em seguida, fui perdendo a visão, lentamente, escurecendo. Eu de olhos bem abertos, enxergando apenas a escuridão. Seria como um fechar de pálpebras. Meditação. Sono. Vou colocar minha cabeça entre as pernas, assim tudo volta ao normal. Tu estavas desmaiando, caralho, com três enfermeiros ao teu lado! Eu nem peguei a veia dele, disse a enfermeira ao enfermeiro de braços tatooados, que hoje por acaso sabemos seu nome, sobrenome, onde mora e nº do celular, mas isso não vem ao caso. Sem nomes. Sempre. Se ele é um treinador, com certeza ele não me escalou para jogar no seu time. Pudera. Eu, cara de sonho. Ele, um homem com cheiro de macho.

Quero morrer, mãezinha, com a mão daquele David me erguendo pelo omoplata. Olha na ficha o nome dele. Márcio, Márcio, Márcio. E assim os sentidos foram voltando e a visão de Deus diante de mim. Zeus me crucifica aqui mesmo, que morrerei feliz contemplando a imagem desse anjo tatooado de tão barbado, piercing no supercílio. Enfermeiros podem andar assim? Ele podia. Era o próprio Deus sorrindo a noite toda pra mim. Passaria todos os vinte e dois de internação sentadinho naquela cadeira de acento duro contemplando aquele sorriso. Jesus, não me deixe morrer. Quero viver para contemplar esse doce sorriso. A noite passou rápida e o tatuado nunca mais.

Subi para enfermaria. Quarto particular. Meu estado exigia cuidados especialíssimos e ali no pronto-socorro poderia adquirir um infecção por nada. Calor infernal. Nem pude agradecer ao cara de barba pela noite agradável que ele havia me proporcionado. Idiota! Se satisfazia com tão pouco. Homens e mulheres muito mais lindos e charmosos; gostosos e inteligentes passaram por ti, sem que ele jamais se esquecesse daquele... não era o sorriso, sua besta, era o gesto. Tudo bem? Polegar erguido para cima. Ele estava sempre de máscara, como poderias tê-lo visto sorrindo. Num descuido, num ajeitar a máscara, ele sorriu. Não sei se foi para mim, mas ele sorriu. Bastava.

Ontem ao vê-lo, ao nos reencontrarmos, havia tanta gente próxima que nem pudemos conversar à vontade, como conversamos por telefone. Como assim, como assim? Por coincidência, ele estava fazendo um compra por telefone na loja onde trabalho. Eu atendi a ligação. Eta mundo pequeno. Confinados num ovo de codorna vamos tocando nosso gado, oito quilos mais gordo, diga-se de passagem, em menos de um mês. O frio que faz aqui, me aquece o coração. Os pelos que roçam meu pescoço não são necessariamente de gato.

Marco nel mio diario

Ave Orkut! Acabo de reencontrar uma amiga de colégio. Mora e trabalha em Londres. Me dá notícias suas, Marcinho. Poderia sugerir que acompanhasse meu blogue, mas meu diário não é minha agência de notícia pessoal e íntima. Minha intimidade exposta no ciberespaço a troco de nada. Nada impede que seja. Mais uma invenção do nosso ficcionista, amigos imaginários, melhor que ficar cantando no chuveiro, todas às vezes que acorda molhado de suor e mijo. Vamos ser produtivos, como seus dedos deslizam pelo teclado. Ele está em dúvida se compra um lap ou desktop. Da Dell. Só serve da Dell. Nada de mais para hoje. Ontem, encontrei a Arabiane on line no gmail. A cadela me bloqueou. Filha-da-puta. Procuradora de merda. Ao me ver se desepcionaria assim como se decepcionou o enfermeiro barbudo. God, que mundo pequeno. A capital é um ovo. Ovo de codorna. Não se pode falar mal de ninguém, sem que em meia hora a outra pessoa já esteja sabendo.
"Me lembro de ...." não o deixei completar a frase. Pronto-socorro, 24 de novembro, passavam das 22h horas, acompanhantes se preparando para dormir. Eu, euzinho, sentado numa cadeira, dura, iria passar a noite sentadinho numa cadeirinha, tomando litros e mais litros de soro Exagerado como sempre. 14 gotas por segundo. Hidratação. Estava morrendo. Deixe de melodrama, já sabemos que alguém nesse estado está por abotoar o paletó. Não há necessidade de mencionar. Compraste. Comprei. Pagaste. Paguei. A enfermeira pediu meu braço. Estendi-o, taticamente. Retira meu sangue, baby. Retira todo ele. É sujo. Batia no meu braço a procura de uma veia onde iria inserir a sonda por onde correria o soro da vida.
Ao amarrar o garrote, porém, pedi a audição, sensação de ouvido entupido; queria falar, mas não conseguia mover os lábios; logo em seguida, fui perdendo a visão, lentamente, escurecendo. Eu de olhos bem abertos, enxergando apenas a escuridão. Seria como um fechar de pálpebras. Meditação. O sono, vou deitar entre as pernas, assim tudo volta ao normal. Tu estavas desmaiando, caralho, com três enfermeiros ao teu lado! Eu nem peguei a veia dele, disse a enfermeira ao enfermeiro de braços tatooados, que hoje por acaso sabemos seu nome, sobrenome, onde mora e nº do celular, mas isso não vem ao caso. Sem nomes. Sempre. Se ele é um treinador, com certeza ele não me escalou para jogar no seu time. Pudera. Eu, cara de sonho. Ele, um homem com cheiro de macho.
Quero morrer, mãezinha, com a mão daquele David me erguendo pelo omoplata. Olha na ficha o nome dele. Márcio, Márcio, Márcio. E assim os sentidos foram voltando e a visão de Deus diante de mim. Zeus me crucifica aqui mesmo, que morrerei feliz contemplando a imagem desse anjo tatooado de tão barbado, piercing no supercílio. Enfermeiros podem andar assim? Ele podia. Era o próprio Deus sorrindo a noite toda pra mim. Passaria todos os vinte e dois de internação sentadinho naquela cadeira de acento duro conteplando aquele sorriso. Jesus, não me deixe morrer. Quero viver para contemplar esse doce sorriso. A noite passou rápida e o tatuado nunca mais.
Subi para enfermaria. Quarto particular. Meu estado exigia cuidados especialíssimos e ali no pronto-socorro poderia adquirir um infecção por nada. Calor infernal. Nem pude agradecer ao cara de barba pela noite agradável que ele havia me proporcionado. Idiota! Se satisfazia com tão pouco. Homens e mulheres muito mais lindo e charmosos; gostosos e intelegentes passaram por mim, mas jamais me esqueci daquele... não era o sorriso, sua besta, era o gesto. Tudo bem? Polegar erguido para cima. Ele estava sempre de máscara, como poderias tê-lo visto sorrindo. Num descuido, num ajeitar a máscara, ele sorriu. Não sei se foi para mim, mas ele sorriu. Bastava. Ontem ao vê-lo, ao nos reencontrarmos havia tanta gente próxima que nem pudemos conversar à vontade como conversamos por telefone. Como assim, como assim? Por coincidência, ele estava fazendo um compra por telefone na loja onde trabalho. Eta mundo pequeno. Confinados num ovo de codorna vamos tocando nosso gado, oito quilos mais gordo, diga-se de passagem, em menos de um mês. O frio que faz aqui, me aquece o coração. Os pelos que roçam meu pescoço não são necessariamente de gato.

11 de jan de 2009

O e-mail perdido


Curves Ahead..., originally uploaded by amanky.

V. Mendes,
 Como havia lhe comunicado, em setembro do ano passado, chamei sua irmã para fazer um acordo. Eu não queria mais trabalhar na empresa de vocês.  Ela riu, não sei se foi de felicidade, ou de nervosismo.  Perguntou-me se eu já tinha algo em vista. Disse-lhe que não.

No momento preocupava-me somente no meu estado de saúde. "Preciso marcar uma consulta com o pneumologista". Soubemos depois do que se tratava: pneunomia. Foram seis semanas no HRAN. Graças a Deus, a Jesus, o Médico dos médicos, estou aqui totalmente curado, sem seqüelas, escrevendo-lhe.

Minha tosse persistia, estava por completar aniversário de dois meses, preocupava a todos. Perdi o apetite. Emagreci. Não sentia dor alguma, apenas fraqueza e ao mesmo tempo disposição. Vontade. Em parte, por causa da ritalina. (Mais tarde soube através do psiquiatra que me atendeu no HRAN que a dose que o meu herbiatra estava me receitando era muita acima do recomendando. O correto seria no máximo três comprimidos por dia, eu estava tomando seis.) Em parte, por causa da densa atmosfera na qual tentava respirar.

Cumpri meu aviso prévio rigoramente, pois afinal tinha responsabilidades. Havia acabado de chegar a notificação dos lacres a serem entregues na Secretaria da Fazenda do Distrito Federal e a Ele (que morre de medo dos auditores fiscais), não sabia, nem saberia por onde começar. Eu havia sido designado para tomar conta da destinação dos lacres. Isso muito depois de quase mais da metade já terem sido utilizados.

A Esse vinha me fritando há oito meses, segundo Ce. Sabotando meu serviço. Exigindo da Ele, todos os dias, que eu fosse mandado embora. Eu era o pomo de discórdia entre elas. A Ele com dó ou pena de mim, não tinha coragem, mas me deixava inseguro. Broncas e mais broncas. A mulher não tem tato para lidar com as pessoas. O Ce me defendia, até pelo fato de eu ser o primeiro a chegar e o último a sair. Entretanto, morreria se continuasse na companhia deles.

Inclusive, numa ocasião a Ele chegou a me dizer que eu havia me tornado motivo de chacota para funcionários, colegas, parceiros, colaboradores e clientes, porque ligava para parceiros ou para os fiscais afim de esclarecer alguma dúvida, ou perguntar sobre algum procedimento. Desculpe-me o palavrão: veado era o nome mais bonito que eu ouvia ali. Claro que, jamais direcionado diretamente a mim. Somente brincadeirinhas. O ASSÉDIO MORAL minava minhas reservas. A HOMOFOBIA de todos me assustava.

Cito um exemplo do ASSÉDIO MORAL VIVIDO: um documento que havia chegado por AR e assinado por mim, sumiu da pasta do cliente que se encontrava no escaninho da minha mesa.

A Ele quando soube que o documento havia chegado, perguntou-me imediatamente pelo processo. Disse que não estava pronto pq faltava o dito cujo. Ela apenas me disse que a parceria dissera que o AR estava assinado por mim e que o documento havia chegado na empresa. Procure-o. Encontre-o. Você o perdeu?(no meio da sua desorganização) Ela me esculachou diante TODOS seus funcionários, antes de simplesmente solicitar por um novo. Ela precisa mostrar seu poder e sua autoridade. Manda quem pode, obedece quem tem juízo.

Nesse momento, lembrei-me do meu avô: "Um dia é da caça, outro do caçador", lembrei-me da nossa amizade, lembrei-me dos seus pais, se não fosse por isso, teria sucumbindo, como qualquer outro ali no meu lugar. Nervos de aço, carne de pescoço. Engoli seco e toquei o gado.

Semanas após, A ele e a esse voltaram a discutir violentamente Motivo: Ce, salários, quem recebe mais. Esta reagiu energicamente como seria de se esperar; aquela depois de muito gritar subiu as escadas pisando duro, bufando, pegou a bolsa, a chave do carro e disse-me: Adeus. Saiu batendo violentamente a porta, sem se importar com o fato dela ser de vidro, ou não. Para em seguida voltar e jogar o NEXTEL em cima da minha mesa.
" Ops! Desculpa."

Nesse momento, a Ele já havia subido as escadas e topou com ela. Olharam-se. Viram-se as costas.

Passado uns vinte minutos, a Ele sobe novamente e começa a mexer na mesa da Esse, como se estivesse tentando encontra-se no meio de tantos papéis que para ela não fazia sentido algum. E me disse: agora é definitivo. A Esse não volta mais. Como eu sabia fazer serviço dela, o qual também desempenhava na sua ausência, pedi licença a Ele e fui descontruir o caos.

Quando... O que encontro? Você não vai acreditar. A Ele não acreditou. Eu não acreditei. Com o papel na minha mão, não acreditei. O documento que havia sumido da pasta do cliente que se encontrava no escaninho da minha mesa, tremulava na minha mão. Mostrei para a Ele Olha só o que achei, NA MESA DA Esse, DEBAIXO DE TODOS OS PAPÉIS. Ela não disse nada. A prova do ASSÉDIO MORAL que eu havia sofrido estava nas minhas mãos. Safadeza de quem? Burrice de quem?

Passado alguns dias. A Esse voltou. A Ele não consegue sem ela. Eu cumpri até o dia trinta e um de outubro meu aviso-prévio. Perdia meu emprego. Fora obrigado a pedir demissão. Recebi apenas meu salário de outubro, no final de novembro. Minhas férias vencidas. Ninguém tocou no assunto. Minha carteira não estava assinada e a Ele havia (alertado) dito que não costumava assinar carteira de trabalho de ninguém. Até a presente data só consegui receber duzentos e cinqüenta reais.

Estou de licença médica de sessenta dias, sem poder receber o auxílio-doença. Pedido da perícia indeferido por falta de contribuição social. E os anos que você lecionou na rede pública? A Secretaria da Educação do Distrito Federal descontou o imposto no meu contra-cheque, mas não repassou para INSS. Nem meu PIS havia na Previdência. No sistema da Secretaria, consta apenas cinco, dos dezoito meses que trabalhei de contrato-temporário. Além dos meus contra-cheques querem a espelho dos contra-cheques emitidos pela Secretaria de Educação, sem contar a solicitação do último mês de contribuição. Não houve contribuição. A empresa não assinou carteira, lembra? Há os recibos que assinei, porém aos serem solicitados, fui informado que não poderiam serem entregues porque poderiam ser interpretados como se eu houvesse trabalhado sem carteira assinada.

Qual a atitude deveria tomar? Temo por represálias, caso leve a empresa na Delegacia do Trabalho, sendo filha de quem é. A Ele veladamente nos ameaçou diversas vezes. Mencionou seu poder. As arbuitrariedades da Polícia Civil, como em qualquer cidade de um país onde não se respeita a Declaração UNiversal do Direitos Humanos. Ela se sente acima da Lei, sendo filha de quem é. Ela se coloca acima da Lei, de tudo e de todos. Eu sei que jamais aconteceria algo. Conheço a idoneidade da sua família, a sua principalmente, o que serve de aval a tudo e me tranqüiliza.

Fico triste porque no final da história a Esse venceu. Ela está lá trabalhando, engordando às custas da empresa que seu pai montou para sua irmã, supondo que no futuro, quando a Ele torna-se uma delegada de polícia federal ela se tornará a dona da empresa. Reconheço seus serviços prestados, mas elas não podem brincar de empresárias. Muitas vezes foi o que testemunhei ali. Piadinhas pelo MSN. Nenhuma das duas tem perfil empresarial. Querem ganhar dinheiro sem fazer esforço. Querem trabalhar seis horas por dias com salário de cinqüenta mil por mês. Isso é vida de pensionista. Vão arrumar um bom casamento. Para isso, precisam pelo menos emagrecer. Somente viúva de militar que perdeu o filho em combate vive assim.

Contudo, não pretendo fazer nada, em nome da nossa amizade. Dessa experiência, levo apenas o aprendizado. Aprendi a sobreviver num ambiente hostil. Estou orgulhoso de mim mesmo. Preparado para a próxima aventura. Seja onde for. Seja com quem for.

9 de jan de 2009

Desculpe-me, nobres leitores, usar um espaço tão íntimo e pessoal (e lúdico, oras!) para reproduzir algo dos outros, logo de quem, logo de quem, mas tudo serve de material para a composição do bookstore e vocês sabem bem como sou. (Tu sabes bem como tenho me comportado.) Mau. I'm a Bad Boy. Filhotinho de Loba. A propósito, esqueçam os Apples da vida, quero um Dell, só me serve um Dell, teclado delicioso, fácil, meus dedos deslisam numa velocidade nunca antes experimentada, direto no editor do blogger e assim minha vida tem um sentido diferente, ou volta a ter o Sentido. Gustave Flaubert me ensina a contar como tudo acontece, aconteceu, tem acontecido, acontecia, aconteceria e acontecerá. O que há de novo? NADA. Além dos ossos no lugar. A medula vai bem obrigado? Encontraram doadores? Para quem? Para que? Vamos aproveitar o restinho do ano para sermos felizes. Quando achávamos, sim nós achávamos que seria o pior de todos, foi o melhor e será enquanto as Delonix Regia mostrarem que Madagascar poderia ser bem ali. Abra a janela, não é Jorge Amado quem passa e acena. De novo? and again, and again, and again. Quantas vezes forem necessárias. Estou tão Capitão de Areia, eu que ontem fui Tieta. O Agreste e a cabra berrando, os enigmas da vida, tente, tente, tente outra vez. Desculpe-me leitora (escrevo diretamente para ti, senhorita Virgem) se não faço apologia a função referencial da linguagem. Mas aqui, há somente espaço para a expressão e sua colega de classe metalinguagem. Longe de mim querer influenciar alguém. Eu não presto, eu não presto, ou ainda, pior, julgar o canal ser mais importante que a mensagem. O grupo do qual fazíamos parte desintegrou-se numa ribanceira. Ribanceira? VOLP me ajuda, VOLP me ajuda. O poesia fica a cargo de quem se presta ao trabalho de limpar o tapete com alcool 70%, a cena do crime. Julgo ser, prerrogativa divina, mesmo assim, julgo ser leitor, alguém capaz demolir o que nos resta. Rasgar-nos em pedacinhos e jogar-nos na fogueira da Santa Inquisição. Que assim seja por todos os séculos e séculos amém.
E para finalizar não tão diferente como começou permita-me, Diário, outro CTRL+C CTRL+V, tão significativo quanto o primeiro. Essa música não pára de tocar (esse acento não existe mais, guri) no ipod:


Sob medida
Chico Buarque
1979
Para o filme República dos Assassinos de Miguel Faria Jr

Se você crê em Deus
Erga as mãos para os céus
E agradeça
Quando me cobiçou
Sem querer acertou
Na cabeça
Eu sou sua alma gêmea
Sou sua fêmea
Seu par, sua irmã
Eu sou seu incesto (seu jeito, seu gesto
)Sou perfeita porque
Igualzinha a você
Eu não
presto
Eu não
presto
Traiçoeira e vulgar
Sou sem nome e sem lar
Sou aquela
Eu sou filha da rua
Eu sou cria da sua
Costela
Sou bandida
Sou solta na vida
E sob medida
Pros carinhos seus
Meu amigo
Se ajeite comigo
E dê graças a Deus
Se você crê em Deus
Encaminhe pros céus
Uma prece
E agradeça ao Senhor
Você tem o amor
Que merece
1979 ©
Marola Edições
Musicais
Todos os direitos reservados. Copyright Internacional
Assegurado. Impresso no Brasil
Tente Outra Vez
Raul Seixas, Paulo Coelho, M. Motta

Veja
Não diga que a canção está perdida
Tenha em fé em Deus, tenha fé na vida
Tente outra vez
Beba
Pois a água viva ainda está na fonte
Você tem dois pés para cruzar a ponte
Nada acabou, não não não não
Tente
Levante sua mão sedenta e recomece a andar
Não pense que a cabeça agüenta se você parar, não não não não
Há uma voz que canta, uma voz que dança, uma voz que gira
Bailando no ar
Queira
Basta ser sincero e desejar profundo
Você será capaz de sacudir o mundo, vai
Tente ou...tra vez
Tente
E não diga que a vitória está perdida
Se é de batalhas que se vive a vida
Tente outra vez
Sempre surge uma reviravolta narrativa, quando achávamos que a estória estava próxima do fim.
Atendimento

2ª a 6ª-feira das 9h às 21h.
Sábados e Domingos 9h às 18h. Portanto, acorde cedo. Não é dia de praia, mas o site da ABIN está garantido.

Comentário em resposta a minha amiga Fernanda Passos

 Essas crises pelas quais passam os poetas se alivia não só com analgésicos ou antidepressivos, mas também com trabalho. Pegue a caneta, o papel e anota aí o que eu tenho para lhe dizer: Se fosse esperar pela musa inspiradora, teria morrido numa maca do HRAN, com os parentes ao meu lado chorando de remosso e me crucificando. 


Assim que tive forças, coloquei uma aliança no dedo anelar da mão direita e pensei: estou me comprometendo  com a literatura do meu país. Tenho um livro para escrever. Um livro, não, uma obra para escrever.  


Vamos à luta, amiga Fernanda, à procura de nós mesmo. Vamos buscar fundamento nos ensaios de mestre Autran Dourado: pela nossa literatura brasileira ainda tem muito o que ser feito. Não é como aquela lá, a espanhola, ou aquela outra, a francesa, ou tantas outras trabalhadas até a exaustão. Literaturas prontas, dadas como mortas. 


A bola está em jogo e cabe a nós jogar essa partida como se fosse a final do campeonato mundial de interclubes. Vencer ou perder é uma questão de ponto de vista. 



3 de jan de 2009

Ainda sobre ontem à tarde, enquanto narrava as desventuras da nossa atriz, telefonemas tocavam na esperança que atendesse. Pronto. Oi, meu querido! E foram horas e horas de pato na laranja. Gema mole, por favor. Não pode. É verdade. Se ela escutasse nossas preces ficaria surpresa com o que fui capaz de revestir nossa capela. Santo Antônio me arruma um namorado, depois noivo, em seguida marido. Seriam essas nossas palavras se não tivesse sido as dela. Senhor, era um simples telefonema e eu a reconstruí-lo como bem entendo. Sou escritor. Ele ainda não sabe a diferença entre escritor e ficcionista, mas isso é entre nós, ok? Quem narra está fora e magicamente tomo conta da casa. Assim, são em todos os diários, dedos deslizam apressados pelo teclado do laptop, o furo daqui a minutos pode não significar mais nada e para isso existem os editores-chefe. Corrija, revise, aprove ou não. Ser o editor de si mesmo esse tem sido seu castigo. Ser o revisor de si mesmo esse tem sido seu encargo. A diferença entre entrar em casa e sair de casa. Talvez um encontro com seus pares no salão negro do Congresso Nacional sirva-lhe de bússula, mostra-lhe Morumbi, Pinheiros e a cracolândia no mapa. Sim, pois ir a São Paulo e não se servir das vísceras não lhe contribuíra em nada para sua imaginação geográfica. Poderiam narrar-lhe histórias, descrições de roupas sujas estendidas no varal, embora preferisse as roupas de seda lavadas à mão. Vanish remove manchas. Aprendeu a salvar as camisas do Barão, lendo rótulos no supermercado. Tu sabes muito bem de quem se trata. Ele retorna aquela idéia aquática. E permito que a minha voz se torne a dele. Acredito que será assim para sempre. Crônica de um dia, no qual faltou luz e o laptop foi confiscado. Mais barato, mais barato, EXTRA. Compra filhinho, me deixa feliz, deixa ser seu único confessor. Esqueça os psicólogos caríssimos e os padres pedófilos. Aquele lá não tinha nada de ficar alissando a virilha. Isso foi anotado em algum lugar eu bem sei. Tira esse pijama de flanela branca e vamos as compras. Quero estar contigo todos os dias do ano. Fazer estragos na tua conta-bancária antes que a estraga sozinho. Venha confessar todos seus pecados. Aliviar o peso da mágoa que comprime seu coração. Ele não consegue abandonar o metafórico, o ficcionista se esconde atrás de uma pastagem existente apenas sua cabecinha, cabaço. Onde mais capim pode ser servido no café-da-manhã? Venha ser feliz ao meu lado. Se não tem nada a dizer, não diga. Anotar que comeu miojo com molho de tomate no jantar, só servirá de prova a tua nutricionista que tua memória é uma caca de nenén. Não lhe prometo glória, nem fama, nem dinheiro. Até pq são substantivos que nunca fizeram parte da tua vida. Não seria agora que iriam fazer. Bem que Iowa, ou Londres, ... Esqueça o mundo. Concentra-se nesse quartinho fétido de onde tentas me dizer algo, tenta nos contar algo. Estás entalado. De que serve manter um diário, se nem aqui consegues ser tu mesmo. Tire esses anéis, penteia esse cabelo, veste uma roupa, porque só de calcinha não saio contigo e vamos nos divertir na rave mais próxima. Misturar tudo que passar na tua mão e acordar numa cadeira de rodas num pronto-socorro tomando glicose na veia. Os amigos ao teu lado, beijando-lhe os pés, a maquiagem borrada, a menina idolatrada. Os homens ainda brigam por ti. Socos ingleses. Alguém agoniza. A menina ri. A boca ensanguentada a procura de beijos que logo serão recusados. Dissimulada. Puta, eu te amo. E eu acreditava nele, Jesus! Toma a chave da Nissan, me leva para casa, para nossa casa, corrige o galalau. Ela jamais acreditando naquele conto de fadas. Até porque o príncipe perdera o encanto ao derrubar o outro e a lhe negar socorro. Havia limites para deboches. A vida imitando a arte às cinco horas da manhã na saída de um sofisticado clube da capital. O sol revelaria mais que o sangue de homens famigerados. O sol revelaria o suor de um amor que não ousava dizer seu nome a ninguém, nem mesmo protegido por codinomes. Os fatos por si só nos compromete e assim diário, mais um dia se passou sem a tua companhia. O Barão mandava, manda e controla todas as minhas emoções, as emoções de uma cidade inteira. Caprichoso. Monarca absoluto. Quem lhe deu tantos poderes. Pergunte ao pó, um livro que me deste de presente. Irónico. Eu o amo? Não. Amo o espelho o qual refletia tudo aquilo que eu jamais vir poderia ser: sua mulher.

2 de jan de 2009

Conhecido diz: Marcinho, lembra de mim?
Marcinho diz: sim.
Marcinho diz: Agah
Conhecido diz: sim, sim
Conhecido diz: como voce esta?
Marcinho diz: ainda morando em Paris?
Conhecido diz: ainda mantem seu blog?
Marcinho diz: estou otimo e tu?
Marcinho diz: sim... passei quase um ano sem blogar, sem acesso a rede. Mas, estou voltando aos poucos...
Conhecido diz: sim, ainda morando em paris
Cohecido diz: qual é mesmo o endereço dele? [Aqui, eles começam a conversar sobre mim, então me encontro no direito de capturá-los.]
Marcinho diz: ...considero-me um romancista.
Conhecido diz: publicou algo?
Marcinho diz: www.diarioclandestino.blogspot.com [Dicla, para os íntimos e sem colchetes, doravante]
Marcinho diz: nada.
Marcinho diz: não penso nisso
Marcinho diz: Como posso pensar em publicar algo num pais que desconsiderou Lima Barreto e Clarice Lispector
Conhecido diz: um pais muda, evolui, retrocede.. tudo isto depende de seus cidadaos
Conhecido diz: enfim
Conhecido diz: o que anda fazendo de sua vida?
Conhecido diz: e os amores?
Marcinho diz: Lendo, lendo, lendo, lendo, lendo, lendo, lendo, lendo, lendo,...
Marcinho diz: minha vida é ler.
Marcinho diz: Morrerei soterrado pelos meus livros, mas morrerei estampado de felicidade.
Conhecido diz:e eu nao leio mais nada
Marcinho diz: Escrever, Agah, tem me proporcionado mais excitação que próprio ato sexual em si; pois desejo narrar, contar, descrever, persuadir, argumentar mais do que tudo na vida. Viver para contar estórias que a imaginação me permitiu viver, contar estórias dos outros, principalmente, mescladas, confundidas com minhas próprias. Intertextualiza-se com quem foi, quem é e quem será. Foi-se a ética. Inauguro hoje, nesse momento, uma nova ética literária. Para mim mesmo, o que é mais importante. Os outros já faziam uso dela, acredito. Todas as estórias, das pessoas que não fomos, dos ares que não respirei, das ruas onde não corri, dos rios de onde não me banhei construindo um preâmbulo para A História. Algo bem Geográfico. Hubble me sorri e não é daqui dentro de mim? Imaginação geográfica, aquela que um dia, perdido na década passada, foi sociológica. Para que me compreendas, se quiseres um dia me compreender, não precisa ler Finnegans Wake. Sou bem mais simples que aquele lá. (RE)Leia "O Pequeno Príncipe" que vais me compreender. Foi essa a aliança que fiz com Javé durante uma ducha no banheiro. O sentido da vida passa pela descoberta lingüística. Permita-me pela última vez o uso do trema, amigo Agah. O orgasmo vem a cada nova palavra, conste no dicionário, ou não. O período refratário inexiste. A glória se faz mais presente e forte a cada lágrima, riso ou silêncio do leitor. Aqui a razão é quem nos dirige. Minhas lágrimas são do leitor-escritor e não ao contrário. Longe de mim, querer ser, o que não sou: moralista. Apenas preciso de um caminho, que eu mesmo traço com ajuda do nada. A trilha tortuosa e... haja poeira me protegendo do céu que me queima e torra os pelos da pele. Sabe, Agah, o custo de vida em Paris é alto; Sampa, recomendação de uma amiga cineasta, continua entupida de transeuntes solitários, poluída, congestionada; sobrou-me Brasília e seus concursos bem pagos. O calor de sangrar o nariz. A estabilidade permitindo-me experimentalismos. Houve um judeu no passado. Quem era mesmo? Google me ajuda: escritor, judeu, sobradinho. O livro que não acabei de ler. Contos e novelas das quais não anotei nada. Samuel Rawet. Se tiver de seguir os passos de Drummond, seguirei. Por que, não? Se tiver que seguir os atalhos de Mário de Sá-Carneiro, seguirei. Por que, não?Agah, estou num labirinto cuja a única saída desemborca num palácio suspenso.
Marcinho diz: mas me diga como está a vida em Paris, seus pais ainda estão lhe enviando dinheiro?
Conhecido diz: não, já tem um bom tempo que eu me viro só.
Conhecido diz: trabalhei num restaurante de garçom, depois entrei numa empresa pra fazer um estagio.
Conhecido diz: continuo nesta empresa.
Conhecido diz: e estou morando com meu namorado, de quem gosto, mas não sou apaixonado.
Conhecido diz :alem do mais tenho uma paixonite seria por um outro cara, que é meu amigo, mas que mora com seu namorado, namoro serio.Tipo casamento.
Conhecido diz : Enfim.. me meti em uma situação onde me sinto preso de nos (sic). Nem o ficcionista, nem eu compreendemos essa expressão, talvez devesse ele perguntar ao conhecido, não sei se valeria à pena, pois aquilo não impede de prosseguirmos a leitura do diálogo apreendido.
Marcinho diz: Desculpa, se sou meio casmurro, mas sendo entusiasta da obra do nosso Alberto Caeiro, não poderia ser diferente.
Marcinho diz: mas estas feliz?
Conhecido diz: Ele nem é nosso.
Marcinho diz: ou melhor, és feliz?
Conhecido diz: Estou sim, eu acho, quando sai dai buscava o não estar triste, hoje busco a felicidade, acho que ganhei
Marcinho diz: digo nosso em relação àqueles que o consideram, não em relação a ti, que deves estar mergulhado na literatura francesa.
Conhecido diz: não, disse: não leio mais.
Marcinho diz: Lamento por ti. Se aquele lesse com atenção Balzac, não cometeria enganos e equívocos. Se lesse Proust, com atenção redobrada, seria rei. Súditos, convivas e a corte francesa a lhe bajular. Houellebecq a ler-lhe Voltaire na cabeceira da sua cama.
Conhecido diz: eu também
Marcinho diz: Lamento por jogar fora a receita do bolo, a bula da medicação, as regras do jogo. A Carta Magna. Está [quase] tudo lá. Não precisamos viver novamente o que já se passou para provarmos que estamos vivendo. A história já foi escrita, mon cher, amigo. Da posse dessa informação, escrevo uma nova história, a minha estória, ou melhor, nossa, porque em algum momento nos encontramos nessas salas de bate-papo ou foi blogando, link puxando link? Ah, nem sei. Não me lembro do que não tem importância.
Conhecido diz: sim, certamente. Mas não quero contar, quero sentir
Conhecido diz: Conto quando o que sinto não cabe no meu peito. Agah não escreve. Apenas desabafa. E quando, Agah, os consultórios dos psicólogos, analistas e psiquiatras estiverem lotados, sem vagas, que atitudes tu tomarás? Saltarias do alto da Pont des Arts; ou engolirias anfetaminas com vodka até o sabor queimar-lhe o esôfago sem direito a lavagem estomacal; ou enforcar-se-ias com o fio do laptop, o qual esquece sobre a cama, escondido no ededrom de pena de ganso; ou atirarias com a colt pt40 com pente de dez tiros, todos oxidados, contra a própria têmpora. Ou ainda, Agah, promoveria participando pessoalmente de um violento bareback?. Estupro não poderia ocorrer, porque sua anatomia não lhe permite, Agah. A vulva ainda constitui-se da condição do feminino. Adendo: nosso ficcionista sabe muito bem do que, eu Diário, estou a anunciar. Lenços distribuídos. Mastros a procura dos picos mais altos. O vale. A inundação. O bareback . Simulação de um afogamento leitoso. O rio intermitente a escorrer-se-lhe leitoso-avermelhado das veias e artérias que preferem esconder-se de vergonha. A valentia do menino-garoto. Broto-andrógino a desafiar as convenções. As regras quem as profere sou eu, diariamente, publicadas, no diário não-oficial. O legislativo de todos nós. O Executivo de gravata frouxa. O Judiciário que se abstém de votar por se julgar onipotente. Vamos bater queijo até de madrugada. Até o sol nos dizer que já são trezes horas. Narrativa diária. Anotada numa folha A4. Jamais me esquecerei, sendo nós, diários, oniscientes, principalmente nesse momento especialíssimo quando estamos ligados na/em rede. O ficcionista preferiria que nunca houvesse acontecido, mas aconteceu. Só não sei onde, pois ele nunca registrava os locais, onde o bolo se juntava, e de ovos e farinha fartavam-se todos, todas.
Marcinho diz: Teu e-mail nunca saiu da minha lista de contatos. Nunca te bloqueei. Na suas fantasias, o ficcionista acreditava que Agah tornar-se-ia seu agente europeu. E tu não me... ixi... como conjugo o verbo excluir na segunda-pessoa do pretérito perfeito. Um minuto, Houaiss, Aurélio, Google.
Conhecido diz: excluistes
Conhecido diz: tu
Conhecido diz:vou sair pra almoçar
Conhecido diz: nos falamos mais tarde
Conhecido diz: abs
Marcinho diz: "O poeta e um fingidor. Finge tao completamente. Que chega a fingir que e dor. A dor que deveras sente. "
E o Diário continua (in off): "E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não tem. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama o coração. " Autopsicografia. Alberto Caeiro. In: globo.com
Marcinho diz: não quero lhe convencer de nada.
Marcinho diz: Apenas sinto também todas as emoções do mundo, sem precisar experimentá-las, sem necessidade de vivenciá-las pessoalmente, a isso chamamos sensibilidade. Hiper. E agora os israelenses sabem o que seria a flor-da-pele. Nossos poros, dutos a refletir as emoções das pessoas em nossa volta.
Marcinho diz: A bientot
conhecido diz: sentir a dor é experimenta-la. Beijos
Conhecido diz: à bientôt
Marcinho diz: meu teclado e americano, pardon, mom ami, pelos falta de acentos.
Marcinho diz: o imac e chique mas nao e para nos.
Marcinho diz: ah, pensei q estavas a me corrigir os acentos
Marcinho diz: bon apetit
Conhecido diz: non
Conhecido diz: jamais
Conhecido diz: ate logo
Marcinho diz: kkkkkkkkkkkkkkkkkk
Conhecido diz: compro um japones e volto
Marcinho diz: a toute a l'heure
Momento de egoismo:
o post que deixei no blog do Edson Marques:
Edson, amigo querido, por isso e por outras porqueiras que chutei meu baldinho, um piniquinho de plastico
amarelo, não vou viver mil mesmo, mas sua poesia, rima e metrica viverá por gerações, independente de quereres ou não. Feliz 2009. Estamos aqui, voltando aos poucos para dar a cara para bater. Mão fechada ou aberta, podes escolher.
Abraços!
Sai da toca, irmão. Só pq não posso beber. Vou te pertubar até tu apareceres. Espero q seja por causa de mulher e filhos, só isso justifica sua ausencia na blogosfera. Orkut, não é vida, não, véi, naquilo lá, não temos espaço para sermos o que somos: escritores. No Aguardo. Marcio Hachmann Email Homepage 02-01-2009 16:26:55
em seguida no Vazamentos de Vapores (última atualização 10/12/2008):
Incendiou o quarto. Faltou dizer se vai passar manteiga ou não. Abraços de mto tempo atrás.
17h45 enquanto isso, no Orkut:
Arabiane, estou a escrever um romance no qual a vilã tem o seu nome. Arabiane seria o nome do meu rouxinol, se houvesse varanda na minha kitchenet. Ainda penso em ti com sofreguidão, com tesão, com, permita-me a vulgaridade, (se eu não puder ser vulgar no meu próprio blog perderia o sentido de cada postagem) A rima se encarregou de tudo. Sou capaz de reconhecer tua voz sob quaisquer condições. Diga-me: encontraste-te teu príncipe, casou-se com ele.?Já és mãe? Sentiste o peso da maternidade. Estou ávido por notícias tuas, Arabiane, Roberta. Já q tempo libertou nossas chagas, ao menos as minhas, ouça a canção. Já não sou mais aquele menino com sonhos. A realidade é muita mais linda que seu sorriso. Mesmo com a conta do Mastercard no final do mês. Aliás, para tudo e todas haverá um Mastercad. Um comentário teu no DICLA: não tem preço.
19h18, numa comunidade do Orkut. Defendendo os jovens que tem pressa em mostrar seus textos, como uma oficina de textos que não funciona.
Sim, tenho pressa. Sou apressadinho. Furo fila, passo na frente. Meto a buzina.O tempo que nunca foi meu amigo, não me resta. Conto os dias, para não dizer as horas, minutos e seus segundos. Desperdicei-o. Onde? Nem me lembro de tão chapado q estava e mesmo se me lembrasse não contaria. Resta-me o espaço, (onde me encontro, mesmo que seja virtual) esse ente majestoso que espremo como a laranja que acabo de chupar. Putz, laranja é laxante e o mundo se acabando em água e eu fingindo ter aproveitado do meu tempo num parque de diversões. Roubando o tempo dos outros. Sim, escrevo diretamente no editor do orkut e do blogger. Sou jovem, se é que pode-se considerar os nascidos na início da década de setenta jovens. Onde se encontra o referencial. o ranço do rancor a respirar próximo do meu pescoço e a velocidade com que os carros trafegam, estremessem a agua da banheira, não é a mesma com que digito esse contra-argumento. Nascemos de oito meses, prematuros, imaturos, mas nem por isso sem capacidade de aprender, desde que apareçam ficcionistas capazes de desengavetar seus escritos para discutir seus métodos, suas técnicas. Apressado sim, já disse isso e repetirei milhões de vezes. Não me envergonho do que eu sou. A velocidade com a qual me alimenta, serve também para salvar um acidentado do enfarto ou uma jovem senhora de um acidente vascular. E olha que nem sou médico, escrevendo assim acabo por me denunciar que nem sou tão jovem. Qdo era moleque, li sim, Feliz Ano Velho, O Alquimista e Diário de um Mago, Rubem Fonseca, Graciliano, Raquel, Clarice nunca consegui até hoje, só as crônicas. Quem não consegue ler crônicas, não consegue ler nada. Eis mais uma falácia. O tempo acabou. E nos esquecemos que ele se inicia. No meu tempo, lia-se Harry Potter com lápis e papel em mãos para corrigir a autora e o com Cem Anos de Solidão. O tempo não respeita ninguém. Já o espaço cabe a cada um conquistar. Let's blogging. Lá, sou senhor do espaço, servo dos ponteiros e da ampulheta. O tempo urge. Urgente, urgentíssimo.

1 de jan de 2009

"Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Vitor Araújo - Paranoid Android (Radiohead)":
Você parou de escrever.... estou com saudades de ler suas palavras ."
Preciso de ti, somente de ti. Traga-me para cá no calor das sete ondas, da romã perfumada e do mundo se acabando em água. Fogo foi ontem à noite, sem direito a antidepressivos e ansiolíticos naturais. Deus tocou minhas mãos, como se eu não fosse ateu, foi o vento, a brisa que ilumina a cortina do quarto de hotel cinco estrelas. Lembro-me da noite branca, agulha sozinha passeando pelos corredores que em breve a demolição levará abaixo. Hermético peregrino, porte de arma calibre 22. Hermenêutica novaiorquina. Seul é logo ali. Jerusalém na esquina de onde a tia assa um churrasquinho de carne com amaciante barato. Minha hérnia, meu tumor, minha biópsia, numa maca de hospital entendi o sentido da vida. Vade retro Satanás. Nesse caso era um negão de um 1,80m, 90 kg, interno da penitenciaria do latão, flertando com uma morena de lábios carnudos e macios e glúteos redondos de tão lisos. Músculo desmanchando na pressão da panela sem tampa. Onde foi que entrei nessa história de Eva servindo a maçã a ninguém. As peras, goiabas e bananas já haviam sido digeridas pelo meu estômago e o mundo se acabando numa limonada suiça. O ecumenismo da menina refletiu na imagem do menino. Quem é quem, num espelho convexo? Ela cobrindo-se com um véu azul da cor de céu de Nossa Senhora de Fátima. Mocinha correndo pelos anéis viários, virgem e imaculada, estragada por fora. 1, 75m. 55 kg. Seria modelo, senão fosse uma travesti. Felação envolveria um alto risco de infecção. Faz um ano que não sei o que é uma mulher e eu, Gama, sete anos que não sei o que é uma foda espumada ou uma cópula ao molho rosé. Frutas no conhac para logo mais a noite. A princesa sou eu. O príncipe morreu.
Comentário inspirado no post do meu amigão Daniel:
Teoria do Conceito
Comentários do post 40520464
Véi,
qdo tdos esperam me ver sorrindo é pq sabem q a arte da dissimulação arde como
estrelas incandescentes. Meu sorriso refresca o hálito dos primos e irmãos, das
primas e irmãs e longe de mim, o incesto. A carne que se serve na mesa, não é a
mesma que se come no banheiro. O mundo se acabando em água, cólicas, calcinhas
sujas de sangue, merda e lama e eu pedido mais, pedindo, implorando bis.
Marcio Hachmann
Email Homepage
01-01-2009 17:31:25