31 de mar de 2005


O púrpura me lembra hematomas, portanto não esperes meu perdão, caso, tu estejas me visitando e lendo nossos absudos desatinos. Quanto a melancolia de dias atrás, dê descarga. Vou apareciar a cena no qual todos se despedem sem dizer até logo. Até logo! Posted by Hello

30 de mar de 2005

Folhas escarnecidas azuis correndo pela sala de estar. Meu amante de volta oferecendo-me rosas vermelhas muchas, sem espinhos, roubadas do Jardim de Infância, aqui em frente. Estava sonhando. (Agora, estimado leitor, tu terás como me localizar. A janela estará entreaberta. Tome cuidado com a cerca viva de coroa de Cristo, ok?) Queria me tocar, mas não consigo. As pilhas pulam longe e o desejo se projeta cada vez que o telefone toca. Pode ser ele, pode ser ele, é ele, o Centauro: Onde você estava? Te liguei a tarde toda! Saiu sozinho ou acompanhado? Diante da insistência em não acreditar nas largatixas presas no assoalho vespertido do alto do pé direito, explico-lhe que a fila estava grande no veterinário. Nossa menina?! Como está nossa filhinha? Está bem, Amor, não foi nada. Apenas, saudade do papai. E você, meu churrasquinho de gato? Eu não! Ainda não me recuperei do atentado violento ao pudor. Estou despudoradamente revirado do avesso. (Nem se eu quisesse, e como eu gostaria, eu poderia traí-lo) Quando eu chegar, quero ser compensado pelo sofrimento que você me impõem. Olha, lá heim? Se eu sentir o cheiro de outro homem em você, eu te enforco e te enterro nesse lote vazio, aí do lado. Ignorei a bravata e me repugnei imaginado o me cheirando desavergonhadamente. Minha vontade de desligar o telefone veio forte. A energia acabou.
OFF TOPIC (POLÍTICA): Enfim, eles foram embora (?)
Ouço, em Fá menor, a criança gritando: "Fora Efe-mi-i! Fora Efe-mi-i!" Não que houvesse influência da família. Meus pais estavam mais preocupados com o preço do diesel. Meus professores, sim, eles foram meus preferidos (Como?). Minha primeira lição na escola foi aprender a protestar contra a falta de merenda. Poderia se dizer que estávamos sendo manipulados, sim, mas presenciar a Tia Margarida discutindo com a mulher de cabelos de biloca, foi dos maiores aprendizados em toda minha vida (Que exagero!). Participar da primeira greve foi um algo natural, ou melhor, social. Claro que minha madrasta e meu pai nem imaginavam ... Eles acreditavam nas minhas mentiras, ou fingia acreditar -- era mais conveniente. De fato eu gostava de ficar na biblioteca (muitas vezes sozinho) recortando revistas, colando gravuras, criando imagens de brancas espumas de sabonete. Passava tardes inteiras, respirando a poeira das pratileiras, quietinho, absorto num mundo de regras plausíveis. Mas eu gostava mesmo era da folia, de me imaginar discursando para centenas de milhares de pessoas em rede nacional de rádio e televisão. Sim! Eu queria mesmo era ser Presidente da República... Até eu me olhar no espelho, e perceber que Maria Helena nunca me beijaria. Não porque eu fosse feio, mas porque eu era macaco extraordinariamente desgalhado.

29 de mar de 2005

Há melancolia demais escondida dentro da caixa de descarga.

27 de mar de 2005

Sandro está em Nova Iorque; Regina em Vancouver; Graça em Brighton; Bel em Paris e Marisinha em Montpellier; Dudy e Neuza, em Turim; Fernanda em Amsterdã; Ana Cristina em Barcelona e não os invejo de jeito nenhum. Cada carta que me chega, desmistifica nosso sonho de estudar no exterior. Todos desistiram do doutoramento. E quando me perguntam como estou, o que ando aprontando, tenho que mentir: "estou estudando."
Eu renunciei minhas metas. Eles nem imaginam que estou preso e até o final do ano, provavelmente, estarei sendo transferido para uma penitenciária de segurança máxima. (Que isso, Márcio! Que exagero!) Poderia contar-llhes sobre meu diário virtual. Assim, diariamente (?), teriam notícias minhas... Seria cometer o mesmo erro em menos de seis meses. Teria que explicar metáfora por metáfora e o Skype ainda não é tudo isso que dizem por aí. Curvo-me diante os caprichos do destino. Resignação.
Ele, o Centauro, havia me alertado para o ciúme que sentia. Não imaginei que fosse brutal. Olhei para o Montanha, surpreso -- não admirado. Nunca imaginei que ele tivesse tantas tatuagens espalhadas pelo tórax. Nunca imaginei que minha coxa podia ser menor que um bíceps. Estou perplexo até agora. Encabuladíssimo! Aquilo lá não pode ser de verdade. As veias paressem gritar socorro. O copo se espatifando no chão, a faca em riste, o empurrão e eu sendo sacudido como se fosse um tapete. Troquei um delegado homicida, por um comandante paranóico.
Acho que eles continuam jogando canastra. Ninguém veio investigar por estou demorando com as cervejas. Vou descer e cumprir minha obrigação de anfitrião, indiferente ao marrento e as piadinhas do Montanha. E amanhã mesmo vou destrancar minha matrícula na Aliança. Afinal, não foi por isso que eu me sujeitei ao Centauro? E quando estivermos brigando por uma posição mais confortável, vou lembra-lhe que ele me prometera não gritar comigo... O filho-da-mãe ainda vem me beijar: "Feliz Páscoa, Amor!" Vá para o inferno!

26 de mar de 2005

A imaginação me guia e me persegue. Tenho medo da Fome me roer os ossos.
Faixa-preta me servindo de lençol. Fios corrosivos escorrendo pela janela do quarto. São 3h17. A chave na ingnição mostra-lhe que estamos na curva do atraso. Morangos azuis nos servem de assento para aguçar o tato. Dedos percorrem-lhe os lábios. E mesmo ressentido, ele aceita as desculpa de sal quente, todas elas arrepiadas. Mordo-lhe o supercílio, na esperança de estancar o sangue; beijo-lhe os lábios na esperança que a sorte retorne. Ele é um finalizador. Eu, desmetido mentiroso, fetichista safado. Nunca amei ninguém que não fosse a mim mesmo. O colega dele ri do meu cabelo amassado. Ele acredita que eu havia sido sedado com o suor que pingava do Vela. Indiferente, levanto-me com a desculpa que ir buscar mais gelo e esparadrapo.

24 de mar de 2005

-- Coelhinho da Páscoa que trazes para mim?
-- Senta no meu ovo que você vai saber.
-- Estúpido!
Minha vontade foi desistir do jantar, dele e da noite. Mas, estava eu tão cansado das minhas exigências (sempre preenchidas) que resolvi classificar sua resposta como detalhe irrelevante. Vamos adiante, enquanto os convidados não desarrumam tapete da pia da cozinha [Sim! Eu também odeio que desarrumem os tapetes, principalmente o que fica aos pés da minha (nossa) cama.] Informo-lhe, Dicla, que estraguei a carne. Muito sal. Vou tocar pimenta dedo-de-moça (frutos inteiros) e apresentar o prato com nome mexicano. São tudo um bando de peão mesmo. Não sei como conseguiram passar num concurso tão concorrido que eu julgava ser de alto nível. A julgar pelos cidadãos (Eles acabaram de chegar, os convidados do Centauro.) há muita podridão na seleção de pessoal para trabalhar em segurança pública. A União que me desculpe, eles não valem um puto furado. Tenho quase certeza que o Haiti, é mesmo aqui. O que não me sujeito para ter tempo de revisar meu texto!
http://esferovite.blogspot.com
Preciso voltar até lá.
Dragostea Din Tei

Ma-ia-hii/ Ma-ia-huu/ Ma-ia-hoo/ Ma-ia-haa/ Ma-ia-hii/ Ma-ia-huu/ Ma-ia-hoo/ Ma-ia-haa/ Alo, Salut, sunt eu, un haiduc/ Si te rog, iubirea mea, primeste fericirea/ Alo, alo, sunt eu Picasso/ Ti-am dat beep, si sunt voinic/ Dar sa stii nu-ti cer nimic/ Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei/ Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei/ Chipul tau si dragostea din tei/ Mi-amintesc de ochii tai/ Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei/ Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei/ Chipul tau si dragostea din tei/ Mi-amintesc de ochii tai/ Te sunsa-ti spunce simtacum/ Alo, iubirea mea, sunt eu, fericirea/ Alo, alo, sunt iarasi eu, Picasso/ Ti-am dat beep, si sunt voinic/ Dar sa stii nu-ti cer nimic/ Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei/ Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei/ Chipul tau si dragostea din tei/ Mi-amintesc de ochii tai/ Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei/ Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei/ Chipul tau si dragostea din tei/ Mi-amintesc de ochii tai/ Ma-ia-hii/ Ma-ia-huu/ Ma-ia-hoo/ Ma-ia-haa/ Ma-ia-hii/ Ma-ia-huu/ Ma-ia-hoo/ Ma-ia-haa/ Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei/ Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei/ Chipul tau si dragostea din tei/ Mi-amintesc de ochii tai/ Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei/ Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei/ Chipul tau si dragostea din tei/ Mi-amintesc de ochii tai


Tenho que agradecer ao cantor Latino (até merece ser linkado). A língua romena é muito linda, soa como árabe afrancesado. Não se trata de francês com forte sotaque árabe. É algo mais orgânico; sintaxe, eu diria, se pudesse.
Quanta saudade sinto de quando os únicos problemas a resolver eram equações de 2ª grau. Tudo bem, que eu apanhasse sempre no intervalo ou na saída; ou os professores se sentissem incomodados com minhas perguntas, mas eu era feliz. Felizinho. Hoje, me desfaço dos meus papéis, pois investigador nenhum vai ficar folheando minha intimidade e reflito que desejo ser Mário de Sá-Carneiro ou Virginia Woolf. Acho que nunca vou aprender a escrever, mesmo. Estou visivelmete causado, exaurido! Nem pensar mais eu quero. Montaigne! É disso que eu preciso, aceitar a Inevitável. Amanhã, vou passar o dia rasbicando palavras estrangeiras. Muito mesmo. Eu preciso de quantidade, de cadernos e mais cadernos escondidos na estufa de mogno. A prática me levaria a perfeição. Só não sei se quero realmente ser perfeitinho. Minha vontade é sentar-me ao lado do papai, e dizer-lhe que realmente estou muito magoado e magoado à anos. Não que eu vá querer alguma reparação. Respeito já seria suficiente. Regredi aos 14 anos, eu sei. Mas questões, essas, a trancar a minha pauta me traz de volta. (Adoro inversões.)

18 de mar de 2005

Quem é Hécuba? Lembrei-me dela quando o Dezesseis seixos brancos esmurrava minhas costelas assadinhas de leitoa raquítica. Aquele menino encolhido, lá no canto da parede, sou eu. Estava rindo, absudarmente alto, quase implorando: chega de hematomas. "Porque você não reage?" Repugnava-me ser surrado, entretanto, aquela era a única maneira dos dezesseis seixos brancos me acariaciar. Tão em público, nem eu, gostaria dos beijos. Passados exatos sete segundos, ele me pedira que o fotografasse em verdadeiro ato de selvageria. "Vou quebrar o nariz daquele moleque"-- disse-me. "Credo! -- retruquei -- Que Vale-Tudo é esse?" Ele riu folgadamente, como se eu não soubesse de nada. Que desinformado! -- supunha ele, em relação à tudo que viríamos a compartilhar. "Vamos fazer o seguinte, disse-lhe, pega o lápis verde e vamos desenhar um arco-íris tricolor."

Não sei aonde vamos chegar, nem se disciplina terei quando a Lua banhar-se na poça de sangue do meu desejo contido, recolhido e guardado. Poderíamos muito bem, o Dicla e eu, passear no submarino azul da Vice-Presidência da República. Desta vez, eu me esforçaria de verdade para plantar bananeira e não gritaria, como nas últimas vezes. Quem nos lê, imagina um culto à estética da barbárie. Que nada! Violência é o agente almoçar um sanduíche de ricota, após desarmar um aterfato explosivo. O coitado devorava o pão como se fosse a mim mesmo. Foi os cincos reais mais bem gastos nos últimos dias. Quatro e quinze da tarde, e o açoite de aço fazendo sua primeira refeição do dia. Todos os dias, a mesma cantilena, ele dá sinais que sente necessidade das minhas mãos massageando seus omoplatas. (Neeeeem!) Entreguei-lhe o envelope (um sonetinho apaixonado) e peguei meu presente, embrulhado num papel vinho metálico. "Estou bem melhor, já consigo me sentar sem fazer caretas". respondi-lhe, quando perguntado, se havia demorado para estancar a hemorragia. O que ele me rebateu, não merece registro, tampouco comentários. Nada diferente do que um maníaco sexual diria a uma vítima afônica. Dezesseis seixos brancos gesticulava impaciente me esperando além da annona crassiflora. É muita dor que carrega essa alma. Despedi-me fechando os olhos demoradamente. E ao passar pela guarita, fiz questão de perguntar ao segurança terceirizado, porque ele não havia ido ao churrasco.

--Foi aniversário de um ano do meu moleque.
--Oh! Isto é muito bom! Afinal, alguém tem que criar juízo, não? Qual o nome dele?
--Heitor.

Foi difícil disfaçar. Fiquei visivelmente emocionado.

17 de mar de 2005

Tive de jurar ao Executivo, ontem, pela minha mãe no céu, que eu não havia entrado na Dark Room. Eu menti, e menti duplamente, o que é pior. Sou mau caráter! A pessoa procurando apartamento para alugar, me chamando para lhe ajudar a escolher móveis, e eu preferindo o risco que a adrenalina deixa na pele. Para quê? Para no outro dia, ligar ao proctologista, implorando por uma consulta extra. Era urgente. Três pontos no colo do reto. Minha sorte é que se tratava de um especialista reconhecido e renomado. Minha sorte, foi o Executivo ter viajado às pressas: "Vamos comigo? Ou além de horror a restaurantes, tem medo de avião, também." Não era nada daquilo, mas eu estava surpreso com a súbita irritação e me esquecendo do incômodo, simplesmente lhe respondi: "Ah! Se eu pudesse..."
Realmente, ninguém se importa. O pior é que margem de manobra é mínima, para não dizer inexistente. Sou saco de pancada da minha arrogância.

16 de mar de 2005

Calma! Faça uma higienização e relaxe. Ele não vai perceber nada.

15 de mar de 2005

--Oi, Amor!
--Achei que não fosse ligar mais.
--Desculpa! Está ficando muito complicado...
--O quê?
--Passo o dia todo pensando em você.
--Calma, Marcinho. Sexta-feira, estou de volta... Olha lá, hem!
--Quanto a isso fique tranqüilo, sempre sonhei em ter por quem esperar.


14 de mar de 2005

Pára esse carro, agora! Na agonia da aflição, gritei. Como se fosse fazer diferença. O verso jazia estendido sobre o asfalto, quilômetros atrás. Estúpida tentativa de resgatar uma lembrança de sábado à noite. É melhor limpar o olhar de ódio que mascara minha feição e continuar procurando entender como ele pode deixar gravado na caixa postal do meu (nosso) celular, versos de Vinícius de Morais. Desculpem-me! Mais clichê impossível. Sou amante, não cúmplice. Na tentativa de fazer poema, neste Dia da Poesia, saiu-me a fatídica prosa que me mata aos poucos. Um murro no peito, meu boné no chão. De que me adianta tanto Bilac, se nada assimilo? É simples compor versos, basta escrever, dissera Clarice Lispector, disfarçada de Joana. Para Manuel Bandeira não seria bem assim e Carlos Drummond de Andrade nos ensinara que não interessava a inspiração, e sim a luta. Mas do que eu estou falando? Sou o cirrocúmulos no rebordo da chapada, observando o mancha de sangue no asfalto liso de tão novo, a procura da diferença da soma da multiplicação. Me compliquei! Resignado, resolvo encaixar um "aliás" neste post, dependendo da entonação, sinto orgasmos sem ejaculação.
Lápis-de-cor furando minha traquéia, assim foi meu banho na piscina de lama que se formou para auxiliar eu e a loira a voltarmos. Desde que ela, retornou, transferida, à Brasília, todos nossos amigos articulam mais que torcem para que deixemos de nos encontrar só para sexo casual. Não quero nem ouvi-la me chamar de meu bem e ela não parece disposta a me escutar sobre meus novos projetos. Ela continua se vestindo muito bem. Mesmo se o seu seio saltasse para fora, não seria vulgar. Com elegância desconcertante, ela pediria a travessa de picanha. Ah, Doutor! Ela será a primeira a saber que estou tendo um caso, quando eu tiver absoluta certeza que se trata de algo mais do que um encontro sem gênero. Vou pedi-la para puxar o "nada consta" do executivo. Que raios de multinacional é essa?

12 de mar de 2005

Sim! Eu fui atrás de proteção. Antes do sol sorrir, minhas mãos seguravam firmemente a nuca de uma pessoa que eu nunca havia visto antes. Se eu tivesse numa boate, este comportamento seria compreensível. No zoólogico não era. Da última vez que me entreguei sem ressalvas, fui convidado a desfrutar um banho hidromassagem, nesses motéis de onde podemos complentar o perfil das naturezas mortas. Desta vez, haveria de diferente. Minha abstinência compulsória ressultaria no efeito esperado. Eu estava puro. Ninguém, nada, convenceria a quebrar meus votos. Sou o mesmo tolo de ontem de manhã. Sapatos combinando com cinto, me fascinam. Calça de brim bege com camisa salmão me desnorteiam. Eu precisa fugir da corrente que me acariciava. Aço cirúrgico? Ouro branco. O brinco arrematava o bom gosto do Pessoa. Que mal haveria apenas relaxar sob corpo, pura canela. Era a terceira tentativa em menos de três meses. Pena que este, seja tão possessivo. Ainda sim, prefiro a ele do que me lamentar pelos longos fios de cabelos loiros que não encontro mais na pia do banheiro, quando vou escovar os dentes. Talvez, ela, a loira, fique feliz em saber que estou tentando superar a impossiblidade de tê-la ao meu lado na cama, assistindo As Horas.

11 de mar de 2005

Não posso mais protelar. Vou a delegacia registar a queixa. Ele prometera bater na minha cabeça com um gato morto, até que este miasse. Será que ele poderá ser, duplamente, enquadrado por crime ambiental? Vou ter que fazer algo que não gostaria: ligar para um fulaninho filha-da-puta de ordinário. Qualquer coisa eu cuspo.
Nossos caminhos se cruzam todos os dias. Ela segue apressada em direção ao banco, enquanto eu, vou ao supermercado comprar pães. Sou apaixonado pelo tom loiro dos seus cílios. Ela ajeita o penteado. Eu grito de fome. Ela me conhece e me reconheceria, até mesmo carbonizado, na necropsia do IML. Ela perguntaria ao agente sobre meus pertences, na esperança de reaver um cordão que um dia ficou perdido no chão do banheiro. Ela ainda bebe um copo d'água, assim que acorda, e come uma maçã, enquanto folheia o NYT. A mesma rotina, como se compartilhássemos os mesmos objetivos. Se ela vier me beijar, não vou virar o rosto novamente. Será sexo, precedido de um jantar. Sem perguntar porquê.

10 de mar de 2005

O efebo me chamou para o tatame. Declinei do convite, por se tratar de um gesto educado, supunha eu. Beijando-me a face, ele me perssuadiu a fazer tudo que ele propunha. Nunca imaginei que o tatame seria um colchão e que travesseiros poderiam ser arremessados pela janela. (Ih! Foi mal!) Ele queria carinho, atenção e se divertir com a única pessoa que estava disposta a fazer exatamente o que ele mandava. Por exatas cinco horas eu me doei, e apesar dele ter se machucado, rimos muito da brincadeira.

9 de mar de 2005

Não pretenderia construir um guarda-sol, tampouco tecer uma bolsa feminina. Queria crescer para além de mim mesmo. Pormenores: nem vou contar para as lentes fotográficas a desconfiança do batom. Defina abstracionismo, me perguntou o praticante de arte marcial (sem mencionar qual, para que não pensem que planto couve em dias pares) Afirmo com segurança... um telefone que magoou meu patrimônio, uma cliente que me amo a ponto de perder o raciocínio lógico-matemático, me interrompem enquanto tentava resgastar...não dá para continuar. Acendeu a luz de freio. (Como se fosse fazer diferença.)

7 de mar de 2005

Quarenta dias pendurado no varal feito lençol impuro beijado por brisas vermelhas. Nem sei como pedir-lhes desculpas. Estive me deitando com os mirmidões e descobri que dificilmente vou decifrar o código civil da constrelação de Capricórnio. Sem telescópios, sem física nuclear. Apresento-me celibatário, de fato, onanista. Mesmo quando me ligam de Palmas, me oferecendo resgate, pergunte-lhes se ele continua com ciúmes dos meus olhos castanhos. Ele te ama, ninguém acha graça, talvez, por isso, acumule inúmeras funções. Todas elas desempenhadas com brilhantismo. Qualquer hora, ele leva um tiro e eu terei de me desfazer das provas do meu crime. Sim! O criminoso ali era eu, induzindo-o a cometer um estupro impossível. Na risca da Marinha nunca mais.