29 de nov de 2006

Estava cansado daquele alaranjado, daquele fonte (Georgia?), do tamanho das letras. (Escolhas infelizes acompanhavam a sua aprendizagem.) Do acento, do móvel, das chamadas de madrugada para copular via grambel. Correria atrás dos mil antílopes, se o rinoceronte ordenasse. Vozes de comando. A guarda unida. Muitas estrelas servindo de forro de cama. Entrego toda a inocência que nunca possui em troco das gargalhadas. Desde que os celulares continuassem desligados valia tudo no vale-tudo dos competidores. Os ratos desarmavam a cena e eu me sentia muito à vontade, atrás do micro-ônibus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário