3 de jul de 2007

Sem as mesas, o tapete persa me servirá de lar. Antes fosse eu aquela pulga de dois minutos atrás, espremida cruelmente grunia: por favor. Crudelíssimo era eu, quando escalávamos o Everest de mãos dadas com o sino rouco que não badalava nas horas certas... Não sinto mais prazer em nada que não esfarele em minhas mãos.

2 comentários:

  1. até 31 de outubro estarão abertas as inscrições para o concurso de contos do sesc. Vc e o Igor são meus favoritos.

    ResponderExcluir
  2. Melhor esfarelar que ser esfarelado, embora seja provido de menor paixão.

    ResponderExcluir