11 de abr de 2007

Na escuridão da folha branca do caderno, fujo dos temas propostos. Distante meta de ferramenta, de linguagem. A vergonha que acabei de passar. Quem era aquele homem. Levantei-me porquê? Poderia ser um assessor qualquer. Jamais se identificam. Nos solitários se colocam flores e a perspectiva se desconfigura. Daria uma bola, um doce e uma bala para ser aquele solitário na mesa da taverna. Admirar meu dorso no reflexo do anel de brilhante. Claro que há um anel. Este seria um outro post publicado sem nenhuma revisão, viver assim é como rodar o tambor do revólver com apenas uma munição. Um desrespeito pelo que poderia haver de melhor dentro de mim. No metablogging me equivoco sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário