21 de out de 2007

Não posso ter preconceitos, nem contra a moça que se veste como homem para seduzir os colegas de classe. Estratégia arriscada, porém acertada.

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Cara.....tu diz coisas que eu não consigo entender. Não é vc, sou mesma.
    Deve a falta de imaginação que persiste me acompanhar.
    rsrsrsrsrsrs.
    Feliz, muito, pelas visitas aos meus recantos.Pessoas que escrevem bem são sempre bem-vindas, nos fazem crescer se pudermos estabelecer um diálogo.
    que tal?
    ;)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Na primeira vez, li "as" colegas...

    Só depois me dei conta que estava lendo Márcio Hachmann, e não podia ser só isso... rs!

    Tuas metáforas são mais profundas.

    Abraços, flores, estrelas!

    ResponderExcluir
  4. Fernanda,

    Qdo os ovos permitirem, explico-lhe frase por frase. Lhe mostro onde engasguei, onde fui feliz, ou, onde tropecei, segundo a opinião do ficcionista-eu-passarinho-sabiá. Adianto-lhe, sou tímido demais ao esmiuçar novelos de lã. Tateio cego nas ortografias dos temperamentais, por vez. Mas posso lhe oferecer dicas (que você já dever ter percebido): a livre associação de idéias é o príncípio regente. Talvez por eu não connhecer/dominar outras técnicas. Beijos.
    P.S.: O diálogo tem se estabelecido no estabelecimento dos hipermercados que estão dominando as mentes automobilísticas. Você tem pressa? Passou por nós e nem nos demos conta. Beijão!

    Edson,

    Valeu pela motivação sabor d'ouro. Um dia tomo coragem.

    ResponderExcluir
  5. as imprevisões (até no modo de vestir) nos encantam, às vezes.

    ResponderExcluir
  6. Beto,
    E desse encantamento nascem versos proscritos.

    ResponderExcluir
  7. será? prefiro apostar no vermelho! rs
    beijo

    ResponderExcluir