3 de abr de 2004

Enquanto não concluo minha relação de links. Vou adolescendo:

Minto.
A mentira dos pistilos,
Dos pistolos polenizados,
Por abelas, colibris e o vento.
Do vento que chove,
Da enxurrada que me arrasta para um final recomeço.
Um começo primário,
Primário de berço,
Berço de pólvora, que preciso senti,
Que preciso tocar para depois engolir.

E para depois ruminar.
Um bolo de pétalas para a massa pisar,
Pisotear com vontade como fosse matar.

Somos versinhos louquinhos para impressionar,
Quem desconhece a cultura das fotossintetizantes,
Bactérias guerreiras a nos dentrar.
A nos comer por fora.

E por fora é saboroso.
E libidinoso.
E muito, muito mesmo meloso.
Ácido meloso, que me dessarruma as tendões.
Que me acelera os intestinos.

De novo para dentro.
De novo para fora.
Como se estivesse me socando o feijão.
Fazendo paçoca.
Do meu coração.

São oito horas,
Ele acabou de chegar do Batalhão.
Condeno covardes, ao mostrar compaixão.
Se assim quiserem, digo perdão.
Lamento mentir,
Quando digo não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário